A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 19 de Outubro de 2019

25/01/2013 07:57

Vigilantes podem deflagrar greve a partir de 1º de fevereiro

Francisco Júnior

Os trabalhadores do setor de vigilância e segurança privada de Mato Grosso do Sul podem deflagrar greve a partir do dia 1º de fevereiro em protesto ao não pagamento do novo adicional de periculosidade por parte das empresas.

A categoria vai realizar assembleia geral nesta sexta-feira (25), a partir das 19 horas, nas sedes dos sindicatos dos trabalhadores de Campo Grande, Dourados e Naviraí, para debater a paralisação.

A lei nº 12.740, sancionada pela presidenta Dilma Rousseff, prevê o pagamento do novo adicional de periculosidade da categoria, que teve um reajuste de 15% para 30% desde o dia 10 de dezembro.

Representantes do Seesvig (Sindicato dos Vigilantes), encaminharam um ofício para o sindicato patronal no dia 16 de janeiro, oficiando a decisão de encaminhar uma assembleia geral da categoria para o dia 25 de janeiro.

Segundo o presidente do Seesvig, Celso Adriano Gomes da Rocha, a lei foi assinada em 8 de dezembro do ano passado. Portanto, os empregadores já deveriam estar pagando a diferença de valor no salário.

Atualmente, os empregados recebem 4% de adicional por periculosidade. O benefício atende tanto profissionais armados quanto os desarmados. As empresas que dependem do serviço de vigilância e de segurança devem se preparar para uma possível paralisação da categoria que luta por este benefício há mais de cinco anos.

O novo adicional de periculosidade deveria ter sido pago a partir do início de janeiro, o que não foi cumprido pela grande maioria dos empregadores. A paralisação está sendo coordenada pela CNTV-PS (Confederação Nacional dos Vigilantes e Prestadores de Serviços), que em todo o país representa cerca de 850 mil trabalhadores.

Caso se confirme a paralisação no próximo dia 1º, o atendimento ao público em bancos e órgão públicos, como Correios, Receita Federal e Estadual, Sanepar, Detran-PR, entre outros, deverá ficar prejudicado.



Boa tarde,sou totalmente a favor pela valorização de nossa categoria que muito contribue para a segurança.a empresa que eu trabalho GRADI segurança cumpriu a lei dando exemplo a muitas empresas"grandes" sem contar q temos plano de saude um plano bom a empresa paga 50% do valor.hoje vou na assembleia em consideração aos companheiros de profissão pq da empresa nao tenho a reclamar so elogios a administração da Gradi segurança.
 
elias alonso da silva em 25/01/2013 16:22:47
Sou totalmente afavor, é um pessoal que arrisca suas vidas pela dos outros, chegam a trabalhar até 12 horas em pé, São humilhados por patrões que não os valorizam e clientes que não entendem que eles só tomam medidas de segunça. Merecem receber esse reajuste sim, e se essa é a forma de chamar a atenção para o caso. Que façam bem feito!
 
Antonio Rodrigues em 25/01/2013 12:03:16
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions