ACOMPANHE-NOS    
JULHO, SEXTA  01    CAMPO GRANDE 21º

Boa Imagem

Casacos que valorizam cada biotipo

Conheça qual casaco pode favorecer ou não a sua silhueta

Por Larissa Almeida (*) | 31/05/2022 15:30

Cada pessoa pode e deve usar o que se sentir melhor ou tiver condições de comprar, mas compartilho aqui algumas dicas que valem caso queira entender qual casaco favorecerá sua silhueta.


A coluna desta semana foi feita especialmente para as leitoras, mas prometo voltar em breve com modelos de casacos que valorizam cada biotipo masculino.

O modelo e o comprimento dos casacos podem alongar ou achatar a silhueta, além de ressaltar ou suavizar partes do corpo, de acordo com o objetivo de quem está usando. Por isso, separei algumas dicas para cada um dos cinco biotipos femininos: ampulheta, retângulo, triângulo, triângulo invertido e oval. Lembrando que todas as pessoas podem e devem usar tudo aquilo que as façam se sentir bem e bonitas, independente das técnicas de consultoria de imagem. Fiz este post para ajudar as mulheres que têm dúvida sobre o que funciona melhor para o seu biotipo.

Mas antes, se você ainda não sabe seu biotipo, siga estas instruções: meça a circunferência dos ombros, da cintura e dos quadris para saber qual o ponto focal do seu corpo, ou seja, a parte que mais chama atenção. Não importa a medida, e sim a proporção de um para o outro. O que é maior e o que é menor.

  • AMPULHETA: ombros e quadris têm a mesma medida e a cintura é bem fina.
  • RETANGULAR: ombros, cintura e quadris têm a mesma medida, pouca definição de cintura.
  • OVAL: cintura arredondada, braços, costas e pernas cheinhos.
  • TRIÂNGULO: ombros menores que os quadris. É normal ter culote, muito bumbum e cintura fina.
  • TRIÂNGULO INVERTIDO: os quadris são menores que as costas e os ombros. Cintura pouco definida. Normalmente, suas pernas são finas.

Agora que você já sabe seu biotipo, confira as dicas:

Ampulheta: neste caso, o objetivo é ressaltar as curvas naturais do corpo. Aposte em casacos que sejam mais ajustados na silhueta e sejam acinturados, ou você pode ajustar com faixas ou cintos.

Retangular: o objetivo aqui é criar formas e definir a cintura. Aposte em casacos com golas e bolsos, que criem a ilusão de curvas. Casacos acinturados também são uma ótima pedida. Os modelos com detalhes (bordados, folhos e pregas) ou bolsos na região dos quadris são uma boa escolha, já que adicionam volume.

Oval: Invista em casacos sem muitos detalhes, evite estampas grandes, bolsos e enfeites, principalmente na região da barriga e seios. Prefira casacos com decotes em V, lapelas pequenas, em formato evasê (A) e sem cintura marcada. Usar o casaco aberto, que tenha linhas mais retas, vai valorizar este biotipo, porque cria duas linhas verticais e alongar a silhueta.

Triângulo: O objetivo é criar ponto focal nos ombros e região dos seios. Aposte em golas grandes, lapelas largas e ombros estruturados. Modelos com cintos e mangas ¾ também são ótimos porque destacam a região mais fina do corpo. Evite modelos evasê que deem volume nos quadris, ou bolsos na altura dos quadris.

Triângulo invertido: Para criar mais volume no quadril, aposte em casacos com bolsos na região e abotoadura dupla. E para suavizar os ombros, invista em decotes V, golas curtas e lapelas finas.

Dica extra:

Mulheres baixas (até 1,60m)
Os casacos mais curtos, na linha da cintura da calça, ressaltam o comprimento das pernas e deixam a silhueta mais longilínea.

Altas (1,70m +)
Os casacos com comprimentos da coxa para baixo, como sobretudos, ficam um charme e suavizam a altura.

(*) Larissa Almeida é formada em Comunicação Social pela UFMS e pós-graduada em Influência Digital pela PUC-RS. Trabalhou durante 14 anos na área de comunicação e imagem em importantes instituições como Caixa Econômica Federal, Prefeitura de Campo Grande, Governo do Estado de Mato Grosso do Sul, Senado Federal, além de ter coordenado a comunicação da Sanesul. Consultora de imagem formada pelo RML Academy e Centro Universitário Belas Artes de São Paulo. Especialista em Dress Code e comportamento profissional por Cláudia Matarazzo e RMJ Treinamento e Desenvolvimento Empresarial.


Nos siga no Google Notícias