A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 27 de Fevereiro de 2017


  • De olho na TV
  • De olho na TV

    com Reinaldo Rosa


27/12/2013 10:41

Retrospectivas do rádio e TV

Reinaldo Rosa

HAJA FOLEGO - Recorde verificado na imprensa escrita da capital. Primeiro parágrafo -de matéria politica- contendo 25 linhas. Coisas de neo jornalista sem assessoria do velho copy desk. Nem ele entendeu sobre o que escrevia.

PESQUISA - Na enquete (sem dados científicos - 20/12) sobre segmentação de programações radiofônicas não deu outra; pen drive é a preferida. O aparelhinho -juntamente com músicas gravadas no celular- livra ouvintes de falatório exibicionista de locutores e grandes intervalos comerciais. Sem contar a mistureba em busca de audiência fácil.

SEGMENTAÇÃO - Palavra mágica que significa apenas respeito à audiência, a programação destinada à determinada camada só resultará em sucesso com o passar do tempo; pequeno, diga-se. Existe vida útil no rádio além de sertanejas e outras apelações.

ENQUANTO ISSO - O surrado filme _A VOLTA DO DÈ JÁ VU, A MISSÃO_ (por parte de vereadores da capital) continua com sua guerra de liminares. A aprovação de 1% do orçamento destinado à cultura da cidade passou quase despercebida pela população. Falem mal, mas...

ENTENDA - Em tempo de vacas magras na audiência -causada pelo período de férias- a rede Globo coloca no ar extensa -e boa- programação de filmes nacionais. Estas produções que, hoje, primam pela qualidade, mereceriam mais atenção do que simples tapa buraco da emissora.

REPETECOS DE FIM DE ANO - Reportagens sobre troca de presentes nas lojas após o Natal são iguais ao Especial Roberto Carlos, na Globo; não falham. Sem contar as cansadas retrospectivas em todas as redes do país.

MAIS UM - Danilo Gentilli não resistiu às investidas do SBT. Trocou o salário de 80 mil reais, da Band, pelos 500 mil da emissora se Silvio Santos. Simples assim. O sonho de talk-show final de programação do Homem do Baú torna-se realidade. Não se sabe por quanto tempo, diga-se.

FALA POVO II - "O problema da segmentação nas rádios FM é que os ouvintes não respeitam isso. (Ok, nem todos). Se a rádio se propõe a tocar somente rock (como a Kiss FM de SP, por exemplo), os ouvintes começam a ligar reclamando que não toca outra coisa, fazem abaixo assinado exigindo que a rádio toque sertanejo e coisas do tipo. De que adiantaria? Tenho a impressão de que isso não funcionaria por aqui, infelizmente". MÉRIELE OLIVEIRA

FALA POVO - "Já está na hora do programa '_MEU MATO GROSSO DO SUL_', da TV Morena, dar uma reformulada geral. As imagens geradas são de boa qualidade, em função das câmeras usadas na captação, mas a produção deixa muito a desejar no quesito direção do programa, o apresentador perde muito tempo na próxima musica, cortam bruscamente a apresentação, ridículo. Muita abobrinha, muito falatório e pouco conteúdo. Agrada apenas os envolvidos". MURILO CARZO

Programa resgata causos do futebol regional
CONTA OUTRA – O futebol sul-mato-grossense – graças a alguns – vive na história do torcedor local. Jogadores, dirigentes e técnicos estão no ‘Conto d...
Público dando um show no futebol de MS
QUEM NÃO AJUDA – Domingo de ‘Comerário’ no Morenão. Se dependesse apenas dos torcedores, o futebol de Mato Grosso do Sul teria vida longa no cenário ...
Caso da primeira-dama hackeada passou batido
EMPODERADO II – Talmir Nolasco, outro personagem histórico do rádio de MS, ‘deu um tempo’ aos microfones. Depois de atuar na campanha eleitoral do PS...
Rádio local disputa espaço com futebol na TV fechada
EMPODERADO – Personagem da história do rádio sul-mato-grossense, Nivaldo Mota atualmente dedica o talento em outras ondas. Em tempo real, entrevista ...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions