ACOMPANHE-NOS    
JANEIRO, QUARTA  27    CAMPO GRANDE 21º

Em Pauta

B de bursa e R de racismo. A imunologia e o preconceito

Por Mário Sérgio Lorenzetto | 13/01/2021 06:31
Campo Grande News - Conteúdo de Verdade

Era 1952. Um jovem cientista de Ohio, nos EUA, de nome Jacques Muller, observava seu professor dissecar e autopsiar um ganso. Removia a bursa, aquela estranha parte do corpo das aves. O cientista perguntou ao professor : "O que é isso? Para que serve?". "Boa pergunta. Descubra você", respondeu o professor. Dois anos depois, um colega descobriu que as galinhas cujas bursas tinham sido removidas não conseguiam gerar respostas à vacina alguma. Produziam um volume muito baixo de anticorpos. A impressão era que os anticorpos eram fabricados na bursa. Mas humanos não possuem bursa.


Campo Grande News - Conteúdo de Verdade

A história dolorosa do dr.Cooper.

Outro médico, denominado Dr. Cooper, cresceu na área rural do Mississipi, entre a década de 1940 e 1950. Foi zelador de escola, entregador de jornais, atendente de farmácia, mas conseguiu formar-se na faculdade de medicina. No último ano, atendeu um paciente com problemas digestivos. Era um sujeito notável, o estudante descreveu. E ele estava no lado de "cor" do Charity Hospital em Nova Orleans. Naquele tempo até o hospital era segregado. O Dr. Cooper examinou o paciente e fez uma apresentação ao médico supervisor. "A principal queixa do Sr. Brown é que...", começou o Dr.Cooper, logo interrompido pelo supervisor. "Quem lhe disse para chamar esse crioulo de Sr.Brown? Nós não fazemos isso aqui". O Dr. Cooper passou o resto da vida se lamentando por não ter dado uma resposta à altura para o racista. Mas esse ato odioso fez com que ele passasse a pensar que havia diferença nas defesas das pessoas.


Campo Grande News - Conteúdo de Verdade

Brancos e mulheres vivem mais.

Em 1960, descobriu o dr. Cooper, os brancos viviam em média cerca de 70 anos. Os não brancos, viviam em média 63 anos. Havia muitos fatores que contribuíam para isso, incluindo a cultura, o,racismo, o meio ambiente e as defesas do corpo humano. Também digno de nota, observou o cientista, as mulheres viviam mais, a média era de 75 anos.


Campo Grande News - Conteúdo de Verdade

A bursa e o timo.

Nessa mesma época, o Dr. Jacques Müller, aquele de Ohio, no início desta história, publicava seu seminal trabalho sobre o papel do timo na imunologia. Sem duvida alguma, era no timo que ocorria a produção de anticorpos. Mas ele havia se deparado com um caso de imunodeficiência grave. O paciente tinha glóbulos brancos - linfócitos - os grandes defensores de nosso corpo, mas tinha bem poucos anticorpos. O timo parecia estar funcionando, mas, de forma geral, o sistema imunológico como um todo não funcionava.


Campo Grande News - Conteúdo de Verdade

Dr. Cooper e os pesquisadores de Denver.

Estudando o caso, o Dr. Cooper descobriu que nas aves, além da bursa, o timo produzia os glóbulos brancos. Foi um salto enorme para entender o sistema imunológico. Mas humanos não são galinhas. Não temos bursa. Então, além do timo, de onde vem os nossos anticorpos, perguntou o Dr. Cooper.


Campo Grande News - Conteúdo de Verdade

A resposta foi dada em Denver.

O Dr. Cooper fez a pergunta certa, mas não soube respondê-la. A resposta estava em Denver, onde cientistas desenvolviam experimentos com camundongos. Eles descobriram que, mesmo quando os roedores perdiam o timo, ainda eram capazes de montar alguma defesa. E ela parecia se originar na medula óssea. Elaboraram a teoria de que as células do timo e as da medula óssea estavam trabalhando em conjunto. Jacques Müller estava de volta às pesquisas. Ele ajudou o Dr. Cooper e os cientistas de Denver a reunir as peças que faltavam. Foi desse trabalho que saiu a descoberta das células de defesa T e as células B. As células T se originavam na medula óssea e depois iam para o timo. As B também se originam na medula óssea, mas precisam de uma especie de instrução, alguma informação adicional para agir. Essa informação vinha das células T. Ou das vacinas.

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário