A notícia da terra a um clique de você.
 
04/07/2018 07:55

Delírio e ocaso dos marqueteiros na política

Mário Sérgio Lorenzetto
Delírio e ocaso dos marqueteiros na política

Um estudo feito pelo INTC - Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia - mostrou que a imensa maioria dos brasileiros não acredita mais nos partidos. Quase 80% dos entrevistados afirmaram não "ter nenhuma confiança" nessas instituições que são fundamentais em qualquer democracia.
No dia 07 de outubro, os brasileiros irão às urnas para escolher deputados, senadores, governadores e o próximo Presidente da República. O início oficial da campanha está marcado para o dia 16 de agosto. E alguns fatores indicam que pelo menos na teoria - só muito ingênuos acreditam que não existirá caixa dois - será mais modesta que as últimas campanhas. Um dos mais caros desses fatores são as estruturas colossais e caríssimas montadas pelos marqueteiros. Essa é uma das maiores vergonhas das campanhas brasileiras.

Delírio e ocaso dos marqueteiros na política

Como políticos se uniram aos marqueteiros?

Essa estratégia começou no longínquo 1952, nos Estados Unidos. Até então, candidatos veiculavam reprises de seus comícios durante a programação da madrugada das televisões, ainda em branco e preto. Naquele ano, porém, Dwigth Eisenhower revolucionou o modelo. Contratou o publicitário Rooser Reever para assessorá-lo. Criaram uma novidade: inserções curtas na TV, de 20 segundos a um minuto, veiculadas durante o dia. Usavam desenhos animados para resumir propostas ou mostrar o candidato. A estratégia foi um sucesso: Eisenhower, candidato republicano, venceu as eleições, após 20 anos de domínio dos democratas.

Delírio e ocaso dos marqueteiros na política

A ascensão do marketing em terras brasilis.

O marketing político foi adotado pela primeira vez no Brasil ainda durante a ditadura. Em 1974, o MDB produziu peças publicitárias que denunciavam problemas econômicos e políticos. O resultado foi catastrófico para a ditadura: elegeram 511 parlamentares em 22 Estados. A ditadura reagiu, criou a Lei Falcão. Proibia jingles, discursos ou imagens externas. Só estavam liberadas as caras feias dos candidatos e um locutor lendo o currículo do indivíduo. Nem o mais fanático admirador dos políticos suportava essa tortura televisiva.

Delírio e ocaso dos marqueteiros na política

Segunda e rica ascensão do marketing político.

Com os anos a Lei Falcão foi parar no lixo. Marqueteiros famosos começaram a despontar. Um dos primeiros a ganhar protagonismo foi Duda Mendonça. Chefiou a vitoriosa campanha de Maluf à prefeitura paulistana com o slogan "Amo São Paulo, voto Maluf". O trabalho do marqueteiro ajudou também a eleger Celso Pitta, o sucessor de Maluf.
O padrão técnico dos trabalhos dos marqueteiros aumentou substancialmente. Eles passaram a ser disputados a base de fortunas impossíveis e inexplicáveis. Duda foi para o PT, onde cobrou nada menos de R$39 milhões. A loucura desenfreada irritou a todos os brasileiros somente na reeleição de Dilma. O sucessor de Duda, João Santana, recebeu R$70 milhões.

Delírio e ocaso dos marqueteiros na política

A queda dos marqueteiros milionários.

Com as restrições para doações para a campanha de 2018 os políticos dizem que o mundo dos marqueteiros será bem diferente. Geraldo Alckmin terá como seu marqueteiro Lula Guimarães. Ele faturou na campanha passada R$16 milhões com a candidatura de Marina. E foi muito mal. O valor é apenas uma referência, não se sabe quanto ganhará. Embora o PT ainda não tenha um candidato para ir às ruas - permanece sustentando a lenda de Lula candidato -, o partido já informou que tocará a campanha com publicitários do próprio partido. Não gastará nada com eles. Ciro Gomes irá com seu eterno assessor, o jornalista Manoel Canabarro. Também não deve gastar nada. Marina vem afirmando que contará com a ajuda do cineasta Fernando Meirelles. Outra que não gastará com marqueteiro. Bolsonaro têm afirmado publicamente que não pretende ter marqueteiro na campanha. Adiós marqueteiros. Já vão tarde.



imagem transparente

Compartilhe

Classificados


Copyright © 2018 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.