ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
FEVEREIRO, QUARTA  28    CAMPO GRANDE 24º

Em Pauta

Novas soluções para velhos problemas na Argentina

Mário Sérgio Lorenzetto | 08/01/2017 08:45
Novas soluções para velhos problemas na Argentina

Parcela significativa dos indígenas argentinos vivem no "Gran Chaco", uma imensa região que é limítrofe aos rios Paraguai e Paraná. Imenso território e imensa pobreza. O Instituo Nacional de Estatísticas e Censo da Argentina informa que 4 em cada 10 pessoas dessa região vivem no denominamos "abaixo da linha de pobreza". É uma região dominada por "criollos" (mestiços de índios e brancos) e indígenas. "É a mais vulnerável região do país em termos sociais". Vivem em casas de adobe com grandes buracos nas paredes onde prolifera o Mal de Chagas.

O governo argentino acertou com a Samsung uma experiência que vem dando bons resultados. Adota novas soluções para as práticas existentes na região. Eles são bons artesãos do couro e da lã de ovelhas. A Samsung entrou com um grande aparato de técnicos e computadores para ensinar os indígenas do Gran Chaco a trabalhar com programas computacionais que lhes facilitem a apresentação de seus produtos na internet, bem como para aperfeiçoar a confecção de carteiras, casacos cintos e cartucheiras. Até o momento, foram formadas mais de 13.000 pessoas nos 12 centros de informática que foram montados nas diversas regiões do chaco.

Só não enxerga a relação da realidade argentina com a brasileira quem deseja desfrutar dos benefícios do litígio. É possível montar inúmeras iniciativas, que não passem por disputa de terras, para melhorar as condições de vida dos indígenas de nosso Estado. O resto é discurso esquerdista.

Novas soluções para velhos problemas na Argentina

A cidade australiana onde todos vivem embaixo da terra

Coober Pedy é uma pequena cidade australiana. É a capital mundial da opala. Essa é a causa de todos seus habitantes viverem sob a terra.

A opala é uma pedra preciosa que pode valer milhares de dólares. No passado tinha um valor incalculável. Reis e nobres a usavam envolta em folha de louro fresco pois acreditavam que ela lhes desse o super poder da invisibilidade. Mesmo com a queda desse mito a opala, devido à sua beleza incomparável, continuou tendo um valor elevado.

Mas, se a procura da opala é o fator determinante para se enterrar, o calor excessivo diurno e o frio "siberiano" noturno também foram determinantes para os moradores de Coober Pedy tomarem essa drástica decisão. Eles vivem no deserto australiano no meio do nada. A cidade mais próxima, Adelaide, fica a 900 km de distância. O que desperta atenção é que até as igrejas são subterrâneas. Só se veem as "chaminés" dessa cidade fora da terra. São, em verdade, as entradas de ar das casas e das lojas.

Novas soluções para velhos problemas na Argentina

Cuba tem pouco dinheiro, mas rum de sobra

Inusitado. Cuba propõe pagar sua dívida externa com rum. É isso mesmo, Cuba está falida e acaba propor, formalmente, à República Tcheca o pagamento de uma dívida de R$900 milhões com garrafas de seu famoso rum. Os tchecos dizem que teriam rum por mais de um século. Aceitam a proposta, mas querem uma parte em dinheiro e em produtos farmacêuticos.

Cuba tem discutido o pagamento de suas dívidas com diferentes países. Os mais importantes credores são a Rússia e o México. Em alguns casos os pagamentos estão suspensos desde 1980. E ainda serve de modelo para alguns brasileiros...

Nos siga no Google Notícias