ACOMPANHE-NOS    
OUTUBRO, DOMINGO  25    CAMPO GRANDE 28º

Em Pauta

Te amo, minha robô

Por Mário Sérgio Lorenzetto | 11/02/2017 07:46
Te amo, minha robô

Aiko Chihira é a dona do amor. Ela é um ciborgue. Um androide criado pela Toshiba. É o robô mais realista criado até o momento. Obsessivamente humanoide. Tem o aspecto de uma formosa mulher oriental. É dotada de uma delicada timidez e de uma personalidade gestual claramente subjugada ao humano que interage com ela.

Toshiba não o diz, mas está claro que Aiko Chihira encarnará o robô sexual do futuro. No Japão atual, as bonecas sexuais hiper-realistas são um negócio crescente. Três grandes empresas - Real Doll, Orient Industry e Kanojo Toys - competem por esse mercado.

Ante o avanço brutal da robótica, renomados terapeutas começaram a admitir o emprego de robôs sexuais para ajudar os humanos a superar traumas. Será esse o destino de nossa espécie?

Te amo, minha robô
Te amo, minha robô

Metade vinil, metade CD. Empresa francesa lança novo formato.

A empresa francesa MPO lançou um vinil que é, simultaneamente, CD. O novo produto é, de um lado, vinil, para audição analógica, e, do outro, CD, para uma experiência digital, segundo a informação disponibilizada no site da empresa. O nome do novo produto é "Compact Vinil".

A onda do vinil retornou forte. Na Inglaterra foram 3,2 milhões de discos vendidos no ano passado, representando um aumento de 50% face ao ano anterior. Não era esperado, mas a aposta das grandes empresas passou a ser o vinil. Mais que os formatos digitais. O crescimento não é só na Grã Bretanha, é universal. No Brasil já foram abertas três fábricas de vinil no ano passado - uma em São Paulo, outra no Rio de Janeiro e a terceira em Brasília. O Compact Vinil ainda não aterrissou no Brasil.

Te amo, minha robô

Fundo chinês financia projeto de energia solar no Brasil.

O fundo chinês de 1 bilhão de dólares destinado a investimentos nos países de língua portuguesa, aprovou o financiamento para um projeto de energia solar no Brasil. O anúncio foi feito na semana passada em Macau. O projeto atingirá uma capacidade de 200 megawatts e serão investidos US$200 milhões em território brasileiro, que pretende, posteriormente, "injetar mais dinheiro no Brasil". Há, ainda, meia dúzia de outros projetos em fase final de análise.

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário