ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
ABRIL, DOMINGO  14    CAMPO GRANDE 24º

Em Pauta

Tic, tac, o relógio mudou o mundo...só os artistas reclamaram

Por Mário Sérgio Lorenzetto | 24/02/2024 08:21
Campo Grande News - Conteúdo de Verdade

Considerada apenas uma atração turística, a Igreja (Duomo) de Pisa costuma ser ofuscada pela Torre vizinha mais famosa e inclinada. Mas foi nessa igreja que ocorreu uma mudança radical no mundo. Suspensa no teto dessa igreja há uma coleção de candelabros. Agora estão imóveis, mas em 1.583, um estudante de dezenove anos da Universidade de Pisa estava com seus colegas nesse recinto. Enquanto eles rezavam, o jovem observou um dos candelabros balançar para a frente e para trás. O estudante ficou hipnotizado pelo movimento regular do candelabro. Ele levava o mesmo tempo para ir e voltar. Fez essa medição do tempo com o único relógio de confiança de que dispunha: a corrente sanguínea de seu pulso. Esse rapaz se chamava Galileu Galilei. E foi assim que ele pensou em criar o relógio de pêndulo. Aquele que mudaria a navegação marítima e a indústria.


Campo Grande News - Conteúdo de Verdade

O ovo de Nuremberg, o primeiro relógio de bolso.

Oitenta anos antes de Galileu pensar o relógio de pêndulo, Peter Henlein, na cidade de Nuremberg, na Alemanha, fabricou o primeiro relógio de bolso. Era, em verdade, uma jóia, bela e caríssima. Ninguém que  comprou os poucos exemplares que foram produzidos, se preocupava com a marcação do tempo. Feito com pelo de porco nas engrenagens, foi chamado de "Ovo de Nuremberg". E ficou meio esquecido.


Campo Grande News - Conteúdo de Verdade

A revolução industrial marcada pelo relógio.

Durante séculos, o relógio de bolso continuou sendo uma joia. Era um marco de ascensão social. Só era rico quem tinha uma dessas joias. O importante era o de pêndulo, por ser até cem vezes mais preciso que qualquer um de seus predecessores. E foi ele que gerou uma mudança na percepção do tempo que ainda hoje preservamos. Os relojoeiros foram a vanguarda do que se tornaria a engenharia industrial. A vida industrial precisava do relógio para marcar as horas e regular o novo dia de trabalho. Antes, a unidade de tempo era a necessária para concluir um trabalho. O tempo para ordenhar uma vaca ou colocar uma nova sola no sapato velho, por exemplo.


Campo Grande News - Conteúdo de Verdade

Todos gostaram da mudança.

Em vez de ser pagos por hora, os trabalhadores recebiam seus salários por peça produzida. Era chamado de "trabalho recebido". Era comicamente desregulado. Um fabricante de cerâmica de Birmingham, na Inglaterra, de nome Josiah Wedgwood, foi o primeiro a apresentar a regra do "período de trabalho", a prática de "bater ponto", nos anos 1.700. Nascia o "pagamento por hora". Óbvio, que marcado por relógios de pêndulo. Os trabalhadores passaram a exigir pagamento por horas extras e, também, por dias de trabalho menores. Os patrões também adoraram a novidade. Passavam a exigir resultados muito maiores dos esforços dos trabalhadores. Só os artistas reagiram negativamente. Eles queriam continuar dormindo até mais tarde, divagar sem rumo pelas cidades, enfim, recusaram-se a viver de acordo com os "relógios estatísticos" que governavam a vida econômica.

Nos siga no Google Notícias