ACOMPANHE-NOS    
MAIO, TERÇA  24    CAMPO GRANDE 28º

Finanças & Investimentos

Atenção, Black Friday chegou! Leia este artigo antes de comprar!

Por Emanuel Gutierrez Steffen (*) | 29/11/2013 08:25

Nesta sexta-feira, acontece a mais nova edição brasileira da Black Friday, o dia de saldão no varejo, inspirado na tradicional e disputada queima americana. Infelizmente, é impossível não fazer uma ressalva sobre a edição do ano passado da promoção, quando inúmeras foram as reclamações, denúncias de fraude e de aumento artificial dos preços para posterior redução. Para evitar o mesmo cenário, o idealizador do evento no Brasil, Pedro Eugênio Toledo, anunciou algumas ações aparentemente válidas para coibir práticas antiéticas. Entre elas, filtros comparativos no site oficial, selos de autenticidade para as lojas físicas e digitais, parcerias com instituições de reclamação e até mesmo um código de ética.

É grande a expectativa de que a data promova efetivamente grandes promoções, boas para quem vende e para quem compra também. O motivo de tamanho alvoroço se dá por conta da adesão de grandes empresas varejistas, sendo o e-commerce o seu principal cenário. Em pesquisa publicada recentemente, revela que 32% dos consumidores afirmaram que pretendem fazer compras na Black Friday deste ano. Em 2012, o gasto médio declarado foi de R$ 698,98. O evento como um todo movimentou R$ 217 milhões, valor dez vezes superior ao da primeira edição, em 2011, quando o faturamento foi de R$ 21 milhões. O aumento expressivo nos negócios pode ser interpretado como uma indicação bastante clara do forte potencial de crescimento da promoção.

Mas com toda certeza nem tudo serão flores nesta sexta-feira de liquidação. Por isso, amigo leitor todo cuidado é pouco, principalmente nas transações on-line onde o risco de sofrer golpes, ou mesmo problemas com as próprias empresas ofertantes, é alto. De acordo com a normativa do decreto 7.962/2013, os portais de comércio virtual devem obrigatoriamente disponibilizar informações claras a respeito do produto/serviço e do próprio fornecedor. Na edição do ano passado da Black Friday, as empresas que mais apresentaram problemas aos consumidores foram o site Submarino (407), a loja virtual da Americanas (402), seguida da Zuba Megalojas (domínio que hoje já não existe, devido às sucessivas queixas), com 194, segundo o Reclame Aqui. Foram 8 mil queixas sobre 187 empresas, apenas 30 delas, lojas físicas.

Mesmo sendo “uma data especial” de promoções, os direitos assegurados ao consumidor são os mesmos. Então, com tudo isso em vista segue algumas recomendações, para você amigo leitor, que pretende realizar hoje as suas compras on-line. Antes de finalizar qualquer compra na internet, busque referências confiáveis a respeito do fornecedor do produto ou do serviço ofertado. Verifique a lista com empresas não recomendadas para efetivação de transações via internet disponibilizada pelo Procon (www.procon.sp.gov.br). Também não deixe de imprimir todas as telas e documentos necessários à confirmação da operação realizada na internet, pois estes impressos poderão ser utilizados para embasar reclamações ou até mesmo demandas judiciais. Depois disso, procure no site os dados da loja - razão social, CNPJ, endereço e canais de contato. Se acontecer algum problema com a compra, estas serão as primeiras informações necessárias para reclamar. Descarte imediatamente a compra se esses dados forem omitidos, alerta. Desconfie dos sites que divulgam como contato um número de celular. Não se esqueça de instalar ou atualizar seu programa anti-vírus, e não fazer as transações em computadores públicos, como em “lanhouses”. O Código de Defesa do Consumidor estabelece que o prazo de entrega de mercadorias seja informado na nota fiscal ou recibo, que se não for cumprido, cabe denúncia ao Procon. Caso o produto chegue com defeito, são 30 dias para reclamações no caso dos não duráveis e 90 dias para itens duráveis.

Outro ponto importante que deve ser destacado é com relação ao planejamento anterior as compras. Ou seja, você é mais inteligente do que as estratégias de marketing (não é?), ou esta sendo levado para o consumo desenfreado, pois “hoje é o dia para tal”. Pergunte-se se realmente você precisa realizar compras agora. A principal vantagem é a compra a vista do bem, por isso repense a sua necessidade, e verifique suas condições de pagamento antes de assumir novos compromissos. Lembre-se, o dia da compra pode ser um dia de festa e euforia, mas o dia do pagamento pode ser um dia de angústia e sofrimento. Então amigo leitor, você está pronto para consumir com consciência nesta data? Contribua com suas experiências e opiniões a respeito nos comentários abaixo. Até a próxima.

Disclaimer – A informação contida nestes artigos, ou em qualquer outra publicação relacionada com o nome do autor, não constitui orientação direta ou indicação de produtos de investimentos. Antes de começar a operar no SFN - Sistema Financeiro Nacional o leitor deverá aprofundar seus conhecimentos, buscando auxílio de profissionais habilitados para análise de seu perfil específico. Portanto, fica o autor isento de qualquer responsabilidade pelos atos cometidos de terceiros e suas consequências.

(*) Emanuel Gutierrez Steffen – Criador do portal www.manualinvest.com

Nos siga no Google Notícias