A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 22 de Junho de 2017


  • Finanças & Investimentos
  • Finanças & Investimentos

    Emanuel Steffen - www.mayel.com.br


14/12/2015 08:23

Como equilibrar as finanças sem sofrimentos desnecessários

Por Emanuel Gutierrez Steffen (*)

Em tempos de crise, ou até mesmo quando queremos formar poupança, um dos maiores erros – e um dos menos perceptíveis – é não ponderar o valor de cada custo que pretendemos cortar. Custo é diferente de valor. Por exemplo, um vidro de esmalte custa R$ 5 ou R$ 6 e o serviço da manicure custa entre R$ 30 e R$ 40. Em uma análise superficial, podemos ponderar que vale mais a pena pagar por um vidro de esmalte que permite pintar as unhas diversas vezes, que pagar por apenas um serviço da manicure.

Entretanto, quando entendemos que o serviço da manicure inclui técnicas e cuidados que a cliente não consegue reproduzir em casa, somados ao ambiente de descontração do salão, de conversa despretensiosa, de mimos e agrados como revistas e cappuccinos, percebemos que o que a cliente contrata não é um serviço de pintura de unhas, mas sim uma sessão de desconexão da rotina. O serviço possui valor muito maior do que o custo de pintar as unhas, por isso muitas clientes preferem pagar por ele. O mesmo acontece com empresas que procuram agradar a seu cliente com mimos e técnicas de fidelização. Em muitos casos, o concorrente cobra o mesmo ou até menos, mas o cliente não abre mão da fidelização ao se sentir bem recebido.

Não é raro que famílias cortem hábitos como idas regulares ao cinema ou um lanche com amigos no sábado à tarde, que muitas vezes podem significar tradições que mantêm a família ou os amigos unidos. As finanças se equilibram, mas cria-se uma desordem emocional que faz aumentar a ansiedade e os conflitos e diminuir a sensação de recompensa. Emocionalmente prejudicados e ansiosos, desequilibramos nossos hábitos e cuidados rotineiros e imprevistos passam a acontecer. Com o aumento dos problemas, abandonamos a disciplina da economia ou da poupança – mais tarde, lamentaremos que não conseguimos manter nossos planos.

Nas empresas, o mesmo acontece quando o corte de gastos ocorre sobre mimos oferecidos aos clientes ou incentivos para os funcionários. Em um primeiro momento, há um resultado financeiro, mas esse resultado não se mantém com o tempo.

Se vivemos tempos de contenção, temos, sim, de economizar. Porém, antes de cortar gastos é preciso conhecer a motivação de cada gasto, entender quanto eles contribuem para a harmonia de um lar ou para os negócios da empresa. Não é difícil identificar quais gastos agregam mais valor à vida ou aos negócios, desde que se entenda os motivos desses gastos. Isso se faz conversando no ambiente familiar sobre sonhos, vontades e paixões. No mundo dos negócios, ouça mais seu cliente e seu colaborador. Muitas vezes, aquele que valoriza um gasto de valor sabe dizer quais outros custos agregam menos – e por isso podem ser cortados. Se estamos mais pobres, a solução real, mais trabalhosa, é cortar os grandes custos fixos.

Fonte: maisdinheiro.com.br
Disclaimer – A informação contida nestes artigos, ou em qualquer outra publicação relacionada com o nome do autor, não constitui orientação direta ou indicação de produtos de investimentos. Antes de começara operar no SFN - Sistema Financeiro Nacional o leitor deverá aprofundar seus conhecimentos, buscando auxílio de profissionais habilitados para análise de seu perfil específico. Portanto, fica o autor isento de qualquer responsabilidade pelos atos cometidos de terceiros e suas consequências.

(*) Emanuel Gutierrez Steffen, criador do portal www.mayel.com.br

4 passos para sair do superendividamento
Toda semana recebemos mensagens de leitores realmente desesperados. Muitos destes que conversam conosco se encontram em uma situação grave de endivid...
Gere mais renda revendendo importados
Uma das formas mais seguras de gerar renda extra ou de iniciar um negócio de sucesso é através de produtos para revender. Isso porque independente do...
Conselhos aos jovens que estão desempregados
Segundo o IBGE, o desemprego entre os jovens é de quase 29%. E não há perspectivas de uma rápida melhora. A nova geração encara desafios que a maiori...
Por que políticas de estímulo geram recessões
A falácia da vidraça quebrada, popularizada por Frédéric Bastiat, continua sendo a metáfora perfeita para mostrar as consequências daquilo que se vê ...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions