A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 22 de Junho de 2017


  • Finanças & Investimentos
  • Finanças & Investimentos

    Emanuel Steffen - www.mayel.com.br


09/12/2013 07:57

Spread bancário do Brasil - o mais alto do mundo!

Emanuel Gutierrez Steffen (*)

Olá amigo leitor, o artigo de hoje pode parecer não ter nenhuma relevância prática de inicio, mas não se engane. Estar consciente do custo de utilização de produtos bancários tem tudo a ver com a sua vida prática, principalmente quando se coloca na ponta do lápis quais os valores que pagamos as instituições financeiras quando consumimos seus produtos e serviços. Já falamos sobre o spread bancário aqui na coluna neste artigo (http://www.campograndenews.com.br/colunistas/financas-e-investimentos-sem-complicacao/o-que-e-spread-bancario), nele você pode conhecer um pouco sobre esse vilão, e compreender que se trata nada mais nada menos, do que a diferença dos juros pagos a quem toma dinheiro emprestado do banco, para quem empresta dinheiro ao banco.

Apenas para que você fique ainda mais por dentro deste assunto, o spread bancário é formado pelos seguintes custos: 1) custo de captação, que é quanto custa o dinheiro para o banco tendo em vista que a referência é sempre a Selic. 2) cunha fiscal, que são os impostos e o compulsório (depósito obrigatório que deve ser realizado pelos bancos junto ao banco central, tanto a prazo quanto à vista, conta corrente e investimentos). O governo aumenta ou diminui o compulsório conforme o dinheiro que pretende tirar ou injetar na economia. 3) despesas administrativas: custos com agências e funcionários. 4) custo do risco: claro que os bancos embutem a previsão de perda ou inadimplência. 5) margem líquida do banco ou receita. Entre estes 5 itens, a inadimplência (ainda em níveis elevados no país, o que também é fator que contribui neste custo elevado do spread), a cunha fiscal, e o lucro dos bancos, são os itens que mais pesam.

Nas últimas semanas, foi divulgado um levantamento apontando que os juros cobrados do consumidor bateram o recorde dos últimos 18 meses pela elevação da taxa básica, a Selic, em 2013. Enquanto um CDB, por exemplo, rende entre 0,4,% á 0,5% a.m. quando muito, a taxa média de juros do cheque especial subiu de 7,85% para 7,89% ao mês de setembro para outubro. No mesmo período os juros do cartão de crédito subiram de 9,41% para 9,45% ao mês. Na prática, significa que em um empréstimo de R$ 2.000, por exemplo, no cheque especial para pagamento de 12 meses, o valor da parcela mensal subiu R$ 0,55, passando para R$ 263,88. São R$ 6,60 a mais por ano.

No cartão de crédito, as parcelas mensais passam de R$ 285,13 para R$ 285,66 --uma diferença de R$ 0,50 por mês ou de R$ 6 por ano. É importante entender, no entanto, que a Selic não é o único nem o maior problema da economia. O spread bancário é um vilão maior, sendo ainda, o mais alto do mundo.

O spread se manteve em patamares extremamente elevados em níveis mundiais, mesmo com as quedas representativas nas taxas de juros que aconteceram desde o final dos anos 1990.
Para se ter uma ideia, na década atual, o spread gira em torno de 40% no Brasil, sendo que, no México, não passa de 12%. Em relação aos EUA e à Europa, a diferença é ainda maior, já que o índice nesses locais gira em torno de 3%. Outro dado que comprova isso é o ranking do FEM (Fórum Econômico Mundial), que apontou que, de 138 países que medem o spread, o Brasil se encontra hoje na 137ª posição. Ganhamos de Madagascar, sem grande papel na economia mundial.

E você leitor, entende á relevância do spread no momento de consumir produtos e serviços bancários? Compartilhe sua opinião. Até a próxima.

Disclaimer – A informação contida nestes artigos, ou em qualquer outra publicação relacionada com o nome do autor, não constitui orientação direta ou indicação de produtos de investimentos. Antes de começar a operar no SFN - Sistema Financeiro Nacional o leitor deverá aprofundar seus conhecimentos, buscando auxílio de profissionais habilitados para análise de seu perfil específico. Portanto, fica o autor isento de qualquer responsabilidade pelos atos cometidos de terceiros e suas consequências.

(*) Emanuel Gutierrez Steffen – Criador do portal www.manualinvest.com

 

4 passos para sair do superendividamento
Toda semana recebemos mensagens de leitores realmente desesperados. Muitos destes que conversam conosco se encontram em uma situação grave de endivid...
Gere mais renda revendendo importados
Uma das formas mais seguras de gerar renda extra ou de iniciar um negócio de sucesso é através de produtos para revender. Isso porque independente do...
Conselhos aos jovens que estão desempregados
Segundo o IBGE, o desemprego entre os jovens é de quase 29%. E não há perspectivas de uma rápida melhora. A nova geração encara desafios que a maiori...
Por que políticas de estímulo geram recessões
A falácia da vidraça quebrada, popularizada por Frédéric Bastiat, continua sendo a metáfora perfeita para mostrar as consequências daquilo que se vê ...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions