A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 26 de Junho de 2017


  • Finanças & Investimentos
  • Finanças & Investimentos

    Emanuel Steffen - www.mayel.com.br


16/12/2013 07:02

Tem R$ 1.000,00? Veja as opções para investir!

(*) Emanuel Gutierrez Steffen

Algumas pessoas aqui na coluna já perguntaram, como começo á investir tendo apenas um mil reais? Hoje veremos neste artigo, que o universo das aplicações financeiras possui diversos opções para diferentes “tipos” de bolso, inclusive para quem tem pouco dinheiro disponível. Veja a seguir alternativas tanto para investidores avessos a risco quanto para poupadores com "estômago" para o vaivém das ações, dispondo de capital de R$ 1.000 no máximo.

1-)Tesouro Direto: pela Internet, o investidor pode adquirir títulos da dívida pública, que funcionam à maneira de notas promissórias emitidas pelo governo. O poupador adquire o papel e recebe de volta o dinheiro corrigido por uma taxa de juros, dentro de um prazo de poucos anos ou décadas. Essa taxa de juros pode ser prefixada (o caso dos títulos denominados LTNs e NTN-Fs), isto é, fixada no momento da compra, ou atrelada a algum indicador financeiro: o índice de inflação IPCA, no caso das NTN-Bs, ou a taxa básica de juros do país (Selic), no caso das LFTs.

Caso o poupador queira resgatar o dinheiro antes do prazo de vencimento, pode revender o título comprado para o próprio Tesouro Nacional. Os títulos disponíveis para compra têm preços que oscilam entre quase R$ 1.000 (uma NTN-B para vencer em 2035, por exemplo) a mais de R$ 5.400 (uma LFT para vencer em 2017). É permitido, no entanto, comprar somente uma fração desses papéis --- 0,10 de um título (e seus múltiplos), até o limite mínimo de R$ 30. Essa forma de aplicação é bastante conservadora. O investidor somente passa a correr algum risco no momento em que precisa sacar o dinheiro antes do vencimento. O motivo: o Tesouro Nacional aceita recomprar o título, mas pagando o valor de mercado -como as ações, os títulos também são negociados diariamente por grandes investidores, como bancos e fundos de pensão. Eventualmente, o valor de revenda pode estar menos vantajoso que o valor de compra.

2-) Em Fundos e CDBs: aplicações financeiras com valores baixos de investimento inicial costumam arcar com taxas de administração mais altas, o que corrói o rendimento oferecido pelo produto. Mesmo CDBs, que não têm esse tipo de taxa, oferecem um ganho pobre caso o valor aplicado seja muito baixo. Sendo assim, restam duas alternativas para o poupador com R$ 1.000 pode adotar duas estratégias para fazer o dinheiro render mais. A primeira é fazer uma boa pesquisa de mercado. No caso dos CDBs, não vale a pena deixar o dinheiro em produtos que ofereçam um rendimento abaixo de 100% do CDI (o juro praticado nos empréstimos feitos entre os bancos, e que segue de perto a taxa básica de juros do país).

A outra saída para o investidor é aceitar correr um pouco mais de risco, ainda se mantendo no universo das aplicações de renda fixa. Existem dois tipos de fundos desse perfil que têm sido recomendados pelos especialistas para este ano: os chamados "fundos de inflação" e os fundos de crédito privado. O primeiro produto aplica o dinheiro do poupador, preferencialmente, em NTN-Bs, títulos emitidos pelo Tesouro Nacional, que acompanham a inflação (medida pelo índice de preços IPCA) mais uma taxa de juros (que varia em torno de 3%). O segundo produto investe o dinheiro em títulos públicos (o recheio habitual dos fundos DI e de renda fixa) mas também enfatiza títulos emitidos por empresas. Além de tomar dinheiro emprestado nos bancos, as empresas também podem vender debêntures, títulos de dívida que rendem juros, em tese, superiores aos títulos públicos como as NTN-Bs ou LTNs.

Se eventualmente a taxa básica de juros subir, as NTN-Bs podem ficar menos atrativas, o que deve afetar o rendimento dos fundos de inflação. No caso dos fundos de crédito privado, o risco que o investidor vai correr é o risco das empresas [que lançaram os papéis que recheiam a aplicação].

3-) Na Bolsa de Valores: o jeito mais simples de aplicar dinheiro em ações é por meio de fundo de investimento em renda variável, que tem ampla oferta nas agências bancárias. Boa parte deles é atrelada ao índice Ibovespa, o termômetro da Bolsa brasileira. A vantagem dessas aplicações é a diversificação. A corretora paranaense Omar Camargo Investimentos, por exemplo, possui um fundo de ações voltado para o varejo com aplicação inicial de R$ 1.000. Esse fundo abrange 16 ações, escolhidas entre os setores de consumo e varejo, bancos, shopping centers e alimentos, entre outros. Neste caso a recomendação é que o cliente evite ficar exposto a somente um ou dois setores da economia.

Outra alternativa, ainda no universo da Bolsa, é o próprio investidor adquirir as ações no pregão da Bolsa. O empecilho para aplicar baixos valores é a exigência do "lote-padrão", isto é, de uma quantidade mínima para comprar ou vender ações de uma empresa. O tamanho de lote-padrão mais comum é 100, o que pode inviabilizar investimentos desse tipo. Então amigo leitor, o que achou das dicas? Compartilhe sua prática com o assunto, como você investiu seus primeiros um mil reais? Até a próxima!

Disclaimer – A informação contida nestes artigos, ou em qualquer outra publicação relacionada com o nome do autor, não constitui orientação direta ou indicação de produtos de investimentos. Antes de começar a operar no SFN - Sistema Financeiro Nacional o leitor deverá aprofundar seus conhecimentos, buscando auxílio de profissionais habilitados para análise de seu perfil específico. Portanto, fica o autor isento de qualquer responsabilidade pelos atos cometidos de terceiros e suas consequências.

(*) com informações de uol economia

(*) Emanuel Gutierrez Steffen – Criador do portal www.manualinvest.com

 

 

4 passos para sair do superendividamento
Toda semana recebemos mensagens de leitores realmente desesperados. Muitos destes que conversam conosco se encontram em uma situação grave de endivid...
Gere mais renda revendendo importados
Uma das formas mais seguras de gerar renda extra ou de iniciar um negócio de sucesso é através de produtos para revender. Isso porque independente do...
Conselhos aos jovens que estão desempregados
Segundo o IBGE, o desemprego entre os jovens é de quase 29%. E não há perspectivas de uma rápida melhora. A nova geração encara desafios que a maiori...
Por que políticas de estímulo geram recessões
A falácia da vidraça quebrada, popularizada por Frédéric Bastiat, continua sendo a metáfora perfeita para mostrar as consequências daquilo que se vê ...



Quem procuro para fazer este tipo de investimento? A própria Bolsa de Valores?
 
Hander Junior em 20/12/2013 11:26:28
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions