A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 19 de Outubro de 2017


  • Ampla Visão
  • Ampla Visão

    com Manoel Afonso


16/01/2015 09:49

‘Governar é deixar marcas’

Manoel Afonso

A MARCA Nem todos que passam pelo poder conseguem deixar suas pegadas. Como o país é novo, paira a ideia de que a boa avaliação do administrador público depende mais da capacidade de construir obras físicas do que realizar ações abstratas.

INJUSTO ATÉ, mas é assim que o brasileiro julga. Pragmático, quer asfalto, pontes, rodovias, prédios confortáveis, enfim tudo que possa ser visto e usufruído. Daí que os administradores construtores são referências em matéria de competência.

O DESAFIO que ouço sempre nas conversas políticas: excluindo as obras edificadas por Pedrossian e Puccinelli, quais seriam as restantes com a mesma importância e envergadura na capital e no Estado? Ambos se enquadram no perfil já citado.

FUTURO Nelsinho, Marcos e Fábio caminharão juntos ou cada qual cuidará de seu projeto no mesmo partido ou em siglas diferentes? Há mais suposições do que certezas levando-se em conta as possíveis alterações na lei que permitam novos partidos.

O EX-PREFEITO Nelsinho sabe da inconveniência de participar diretamente do pleito de 2016. Tem evitado falar sobre isso, mesmo porque estamos em plena fase de transição e um quadro partidário local sujeito as influências de Brasília.

O DEPUTADO Marquinhos pode deixar o PMDB; espera um novo partido que atenda as formalidades da legislação. Quer a prefeitura e nas pesquisas de consumo interno seria – hoje - o melhor nome para se contrapor a Rose Modesto.

FABIO TRAD Não vejo espaço para ele no quadro atual. Seu projeto é independente dos planos de Marquinhos. A advocacia é a melhor trincheira aguardando outra chance. Se sai, fica ou reconcilia com os dirigentes do PMDB só o tempo pode dizer.

MANDETTA Os indicativos são fortes: mergulhou no ninho tucano e se afasta estrategicamente dos seus primos e padrinhos políticos da família Trad. O deputado quer ocupar espaço na eleição da capital e também sonha com o Senado.

A PROPÓSITO Analisando o quadro percebe-se; o nível do Senado vai piorar. Tem gente incapaz de redigir um requerimento. Sorte da Simone. Aliás, o Ronaldo Caiado será grande nome da oposição, muito mais contundente do que Aécio.

SEM ILUSÕES O modelo brasileiro é incomparável: nem bem curamos a ressaca da última eleição e já temos outra chegando. Portanto, é inadmissível que um povo que tanto respira eleições não aprenda a escolher melhor seus representantes.

‘FAZ PARTE’ Antes o Diário Oficial era impresso, o universo político menor. Havia acompanhamento mais próximo das demissões e nomeações no início dos governos. Hoje é digital, nem todos se voltam para a ‘operação’ ora em andamento.

A RENOVAÇÃO de ideias é ótima, mas nem sempre ela é proporcional ao rodízio incrível no assento de muitas cadeiras de cargos de confiança. A escolha passa também pela gratidão de apoio, vínculos políticos e projetos futuros. Sabe como é...

AZAMBUJA está gostando do glamour do poder, não podia ser diferente. Quer disputar a reeleição e já cuida das eleições prefeiturais. Sabe, seu maior adversário é André e já começou a depredar sua imagem em ações e palavras na mídia.

‘PERA LÁ’...; Uma terceira via pode ganhar força, dependendo das circunstâncias e da administração de Azambuja. Lembro por exemplo que Zeca do PT tem sido muito competente politicamente antes mesmo de assumir o mandato na Câmara.

DUAS TACADAS Ao questionar a condição de ‘ficha limpa’ de Nelson Cintra para ocupar cargo no Governo e proibindo o PT de se unir ao PSDB, DEM e PPS na eleição da mesa Assembleia, Zeca mostra força, criando problemas para Reinaldo.

A PERGUNTA: André conseguirá se submergir por quanto tempo? Quem deixa o poder deve se acostumar ao anonimato, evitando polêmicas na mídia por falta de espaço compatível. Como eu sempre digo: o problema não é o poder. É depois dele!

BOLA DE CRISTAL Ninguém tem, inclusive Reinaldo. Equívocos e erros acontecem. Como medir a alma e o caráter de cada um dos escolhidos para esse ou aquele cargo? Tem gente com estampa, mas que não se coaduna com a administração pública.

É PRECISO – primeiro – se conscientizar de que o cargo é temporário, indicação de quem foi escolhido pelo povo. Portanto, precisa sim, tratar bem as pessoas, que na verdade de alguma forma colaboram com impostos que pagam seu salário.

BUROCRACIA é mais que o simples conjunto de regras no serviço público; é uma forma habitual de maquiar a arrogância, intimidando e afastando as pessoas. O Hélio Beltrão, de saudosa memória, bem que tentou, mas não acabou com essa praga.

SINAIS O deputado Geraldo Resende vira prefeito de Dourados? Controvertido, seu adversário maior é ele próprio. A nomeação de seu escudeiro Flávio Brito no Governo antecipa o apoio de Azambuja? Não garante, mas pode ser um bom começo.

DOURADOS é aquilo que já sabemos: um deserto de lideranças políticas compatíveis com o potencial da cidade e suas necessidades. Ela chegou ao patamar atual muito mais pelo mérito da iniciativa privada do que pela ação das forças políticas.

RAMÃO CABREIRA Mais um locutor que morre sonhando com o bom futebol. Seu coração não resistiu a tanto esforço para transformar desalento em alegria em nossos campos. Merece ser homenageado pelos poderes públicos. Vou cobrar!

“A gente só diz sim ou não no casamento, e às vezes erra”. ( Itamar Franco)

MS 40 anos: faltou competência política
BALANÇO Não perdemos para Cuiabá de Julio Campos e cia, mas pela incompetência de nossos políticos. Focados na luta pelo poder, não investiram na boa...
Incógnita, o voo político do dr. Odilon
CESARE BATTISTI O presidente Michel Temer (PMDB) ganhará pontos se extraditar o terrorista italiano que o ex-presidente Lula (PT) afagou com refúgio ...
Discurso de campanha vale mais que o programa
RABUDAS No episódio do ex-senador Delcídio do Amaral ( ex-PT) o Senado não lhe deu qualquer chance e cassou-lhe o mandato por quebra do decoro. Já ne...
Delação Premiada também no MS?
DELAÇÃO Lembra o verbo delatar, que no fundo é o mesmo que caguetar, uma palavra pouco usada por não soar bem aos nossos ouvidos. Também tem tudo a v...



Governar simplesmente para deixar a marca de quem governa, não representa anseio popular que pode ter outras prioridades, como por exemplo, um serviço público na área da saúde com qualidade, descentralizando o atendimento, note-se que 37 anos após a criação do estado, a vida do cidadão vem sendo empurrada com a barriga pelos políticos. Pedro Pedrossian foi excessão, e soube explorar com inteligência as obras por ele idealizadas, ainda de quebra, deixou a sua marca em dois estados. Ele anteviu o crescimento de Campo Grande, quando projetou o Parque dos Poderes, a meu ver, sua obra maior, concentrando os órgãos da administração pública estadual no mesmo conglomerado. Dificilmente surgirá outro governante com o mesmo carisma, até porque, os tempos são outros. Bene.
 
benedito rodrigues da costa em 17/01/2015 08:45:09
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions