ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
FEVEREIRO, SÁBADO  24    CAMPO GRANDE 26º

Ensinar Juntos

Você sabe com quem está falando?

Por Carlos Alberto Rezende (*) | 18/10/2023 14:10

Nós somos feitos de um conjunto de sentimentos cultivados na família e na escola, tais como a soberba e humildade e, por isso, devemos buscar entender sobre como cada uma dessas palavras funcionam dentro de nós, a soberba é uma forma que o ser humano achou de ficar sobre as outras pessoas, utilizando seus “conhecimentos” e “entendimentos" ou o que ele acha que "sabe" ou "entende", o que é muito pior; infelizmente muito comum hoje em dia, pois como eu tenho dito, as pessoas confundem acesso à informação com conhecimento.

O soberbo se acha! E esse “se achar” é descrito em ações de superioridade, acarretando dores nas pessoas próximas, e talvez a si próprio no futuro. A humildade é, na realidade, a inteligência efetivamente sendo utilizada, pois quando somos humildes juntamos sobre nossas vidas valores como o respeito, a empatia, o bom senso e a sabedoria. Não devemos confundir humildade com submissão.

Segundo São Tomás de Aquino, a soberba é a mãe de todos os pecados. Nas escolas é natural a convivência com esses “pequenos pecadores”; são crianças e jovens com celular de última geração, vestindo roupas e acessórios de grife, chegando à escola em carros de luxo e, em alguns casos, acompanhados por seguranças; olham para os professores com ar de superioridade e autossuficiência, contestam a sua autoridade, desprezam seu papel pedagógico como se não tivessem, absolutamente, nada a aprender e, quando confrontados, desafiam dizendo: "Meu pai paga o seu salário".

Toda pessoa arrogante pretende se sobrepor aos demais, quer ser único, quer que o outro não exista. No entanto, sua afirmação passa pelo outro, pois o ser humano precisa da aprovação do ambiente social. As explicações para o fenômeno transcendem as razões socioeconômicas e passam pelo momento característico da adolescência. É uma fase de transição, marcada pela contestação, que se transforma em rebeldia em algumas circunstâncias. Pode ser ostensiva e desafiadora ou obstinada e hostil. Uma forma dessa manifestação seria a conduta de que "não tenho o que aprender com você", ou "para que serve isso", ou ainda a negação pura e simples: "não vale a pena o esforço, faço o que quero". Quando me deparo com essas situações, logo me vem à mente uma frase de Pitágoras: “Educai as crianças e não será preciso punir os homens.” Perante o exposto, deixo um questionamento aos pais e responsáveis: vocês preferem ver as suas crianças emburradas e chorando por alguns instantes ou vocês vivendo o resto dos seus dias chorando por elas?

Como dizia Cora Coralina, “O saber a gente aprende com os mestres e os livros. A sabedoria se aprende é com a vida e com os humildes". A palavra humildade vem do latim humilitas, que, por sua vez, deriva de húmus, cujo significado é terra fértil, solo fértil. Quem é humilde costuma reunir outras virtudes, como sabedoria, nobreza, tolerância, gentileza e gratidão. Não se acha nem melhor nem pior do que ninguém; simplesmente age de forma cordial e respeitosa com todos, do mais simples operário às mais altas autoridades dos poderes de um país.

A humildade é um valor importante na vida de qualquer pessoa, pois ser humilde significa ser capaz de reconhecer as próprias limitações, pedir ajuda, ouvir e não ser orgulhoso para admitir um erro. E na educação, como ensinar uma criança a ser humilde? Acredito que principal maneira de ensinar as crianças a serem humildes é com atitudes e situações reais dessa palavra tão abstrata, e, é claro, dando exemplo. Como educador, eu penso e ajo em consonância com filósofo grego Aristóteles: “A educação tem raízes amargas, mas os seus frutos são doces.”

Há uma linha tênue que separa a soberba da esperteza e a humildade da submissão, por isso eu peço aos pais e responsáveis que não confundam e muito menos misturem tais adjetivos, pois o mundo é dos (as) espertos (as) só nos ditos populares, dado que a vida real não tolera espertos (as) egoístas e vaidosos (as).

(*) Carlos Alberto Rezende é conhecido como Professor Carlão.

Nos siga no Google Notícias