A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 12 de Dezembro de 2017

29/07/2011 20:27

Após duas altas, dólar sofre queda e volta a R$ 1,55

Paulo Fernandes

O dólar comercial fechou nesta sexta-feira a R$ 1,554, em queda de 0,76% no dia, mas ficou praticamente estável no acumulado deste semana.

A explicação para a queda é a incerteza sobre a dívida soberana e o crescimento econômico dos Estados Unidos.

Nos últimos dois dias, o dólar havia registrado alta de quase 2% com a adoção pelo governo brasileiro de um imposto sobre operações com derivativos de câmbio.

A moeda era cotada antes nos menores níveis desde 1999 e o governo tinha a intenção de frear a valorização do real para proteger as exportações.

Um dia após o anúncio de medidas cambiais, dólar volta a fechar em alta
Um dia após o anúncio das medidas para conter a valorização do real, o dólar registrou nova alta hoje (28) e fechou o dia em R$1,56. Ontem (27), a mo...
Governo consegue reverter sequência negativa e dólar tem a maior alta no ano
Com o anúncio das novas medidas para o câmbio, o governo conseguiu não só frear a queda do dólar como obteve uma recuperação da moeda após seis baixa...
Artilharia pesada do BC não impede 6º dia de queda do dólar
Mesmo com uma atuação agressiva do Banco Central, ou o uso de “munição pesada”, conforme a Folha.com, o dólar continuou em queda ante o real nesta te...
Dólar fecha com a menor taxa em 12 anos
O dólar caiu abaixo de R$ 1,55 pela primeira vez desde 1999 nesta segunda-feira. A taxa de câmbio doméstica recuou 0,64% no dia, sendo negociado a R$...


Ainda não entenderam - ou não querem entender - as autoridades do sistema financeiro que o capitalismo evoluiu para seu 3º estágio: o capitalismo especulativo. Os estágios anteriores - capitalismo industrial criticado por Marx e financeiro, por Lenine - continuam coexistindo na sociedade capitalista. Mas este novo estágio vai conquistando corações e mentes, além de recursos financeiros, para o jogo diário do capital, realizado através da Bolsa BMF em dólar e taxa de juros. O maior ou menor volume de contratos abertos nestes produtos depende diretamente da margem, em dinheiro, que deva lastrear cada contrato. E enquanto as margens forem relativamente baixas, o volume de contratos será elevado, numa equação inversamente proporcional. Aí que, se não aumentarem as margens dos contratos o jogo vai continuar vivo, como temos visto até agora, malgrado os resmungos das autoridades e dos industriais contra, no caso, a queda do dólar face ao real. Capitalismo especulativo é o nome do jogo, pouco estudado ou criticado, mas presente e pedindo passagem.
 
Paulo Guilherme Hostin Sämy em 30/07/2011 09:55:22
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions