ACOMPANHE-NOS    
JANEIRO, DOMINGO  24    CAMPO GRANDE 28º

Economia

Após pedir perdão de multas, indústria anuncia crescimento histórico na pandemia

Produção atingiu melhor índice para o mês de outubro desde o início da série histórica em 2010

Por Gabriel Neris | 25/11/2020 10:20
Trabalhadores em fábrica de MS. Expectativa é aumentar contratações (Foto: Fiems)
Trabalhadores em fábrica de MS. Expectativa é aumentar contratações (Foto: Fiems)

A produção industrial de Mato Grosso do Sul tem enfrentado muito bem a pandemia da covid-19. Segundo dados do próprio setor, encerrou outubro com 59,2 pontos, indicando o melhor desempenho registrado para o mês em toda a série histórica, iniciada em fevereiro de 2010.

O levantamento divulgado hoje, chega depois da Fiems (Federação das Indústrias do Estado de Mato Grosso do Sul) pedir renegociação de dívidas do Fundersul e até do Procon. Só de multas por desrespeito ao consumidor, são quase R$ 4 milhões em perdão.

De acordo com o Radar Industrial da Fiems, 90% das empresas do setor apresentaram aumento ou estabilidade na produção. O índice de crescimento foi de 5,1 pontos na comparação com outubro do ano passado e de 9,1 pontos sobre a média histórica do mês.

“Em outubro, 79% dos respondentes disseram que a utilização da capacidade instalada ficou igual ou acima do usual para o mês, enquanto o patamar médio de utilização da capacidade total ficou em 75%, indicando aumento de dois pontos percentuais em relação a outubro de 2019. Por fim, o indicador de uso efetivo em relação ao usual fechou o mês de outubro em 53,6 pontos, resultado 8,6 pontos acima da média histórica obtida para o mês”, informou o coordenador da Unidade de Economia, Estudos e Pesquisas da Fiems, Ezequiel Resende.

O economista diz ainda que a demanda alcançou em novembro 61 pontos e a expectativa é de aumento para os próximos seis meses. “Em novembro, 46,2% das empresas responderam que esperam aumento na demanda”, disse. Sobre contratações para igual período, o índice foi de 57,2 pontos.

Nelson Fraga e Sérgio Longen durante reunião (Foto: Fiems/Divulgação)
Nelson Fraga e Sérgio Longen durante reunião (Foto: Fiems/Divulgação)

Encontro - Além de ir à Assembleia Legislativa defender o perdão de dívidas, representantes do setor econômico de Mato Grosso do Sul também foram pedir renegociação ao superintendente da Sudeco (Superintendência de Desenvolvimento do Centro-Oeste), Nelson Vieira Fraga Filho.

Mesmo com  os números mais positivos dos últimos 10 anos, durante o encontro, o presidente da Fiems (Federação das Indústrias de Mato Grosso do Sul), Sérgio Longen, falou "retomada econômica e construção de agenda de recuperação".

“Por isso apresentamos algumas propostas para serem tratadas no Condel (Conselho Deliberativo do Desenvolvimento do Centro-Oeste) em dezembro, sendo a primeira sobre o pagamento de parcelas inadimplentes do FCO (Fundo de Financiamento do Centro-Oeste) deste ano por causa da pandemia e também condições que envolvem burocracia, como o IDH dos municípios”, afirmou.

A reunião também contou com representantes da Famasul (Federação da Agricultura e Pecuária de MS), que também tem falado em aumento nas transações e ganhos extra por conta do valor do dólar.

O encontro teve ainda Faems (Federação das Associações Empresariais de MS), Fecomércio-MS (Federação do Comércio), e Sebrae-MS, além do titular da Semagro (Secretaria Estadual de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar), Jaime Verruck, que também é presidente do CEIF/FCO (Conselho Estadual de Investimentos Financiáveis pelo Fundo Constitucional do FCO),.

Pantanal - Um dos assuntos discutidos foi a necessidade de uma linha de financiamentos específica para produtores do Pantanal, que sofreu com as queimadas recordes este ano. O superintendente da Sudeco citou a necessidade de traçar estratégia do FCO, principalmente para recuperação da região. “A gente já está trabalhando pensando numa linha de crédito de reestruturação da atividade produtiva na região e talvez a suspensão dos vencimentos, olhando muito para o modelo econômico da região”.

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário