A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 17 de Dezembro de 2017

14/09/2012 08:33

Atividade econômica brasileira cresce 0,42% em julho

Kelly Oliveira, da Agência Brasil

A atividade econômica brasileira registrou crescimento de 0,42% em julho, na comparação com junho deste ano. É o que mostra o Índice de Atividade Econômica do Banco Central (IBC-Br), dessazonalizado (ajustado para o período), considerado o mais adequado pelos economistas para esse tipo de comparação.

O crescimento em julho foi menor do que o registrado no período anterior, na comparação entre junho e maio deste ano, quando houve expansão de 0,61%, de acordo com os dados revisados divulgados hoje (14).

Em relação a julho do ano passado, sem ajuste sazonais, houve expansão de 2,34%. Nos sete meses do ano, o IBC-Br registrou crescimento de 1,08% (sem ajustes), na comparação com igual período de 2011. Em 12 meses encerrados em julho, o IBC-Br, sem ajustes, registrou expansão de 1,24%.

O IBC-Br é uma forma de avaliar e antecipar como está a evolução da atividade econômica brasileira. O índice incorpora informações sobre o nível da atividade dos três setores da economia: indústria, comércio e serviços e agropecuária.

O acompanhamento do indicador é considerado importante pelo BC para que haja maior compreensão da atividade econômica e contribui para as decisões do Comitê de Política Monetária (Copom), responsável por definir a taxa básica de juros, a Selic.

O Copom tem reduzido a taxa básica como uma forma de estimular a atividade econômica brasileira, que enfrenta efeitos da crise econômica internacional. Os cortes têm sido feito desde agosto do ano passado. Atualmente, a Selic está em 7,5% ao ano.

O governo também tem adotado outras medidas de estímulo. A mais recente, anunciada esta semana, é a redução do custo da energia elétrica. Em agosto, foi lançado um programa de concessões de rodovias e ferrovias. O Ministério da Fazenda também anunciou o aumento no limite de contratação de operação de crédito para estados.

Este ano, o governo também reduziu impostos para estimular a venda de eletrodomésticos, móveis e carros e anunciou medidas para agilizar as compras governamentais. Também houve redução da Taxa de Juros de Longo Prazo (TJLP), usada em financiamentos do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), de 6% para 5,5%.

A economia em ritmo mais lento tem levado à revisão das estimativas de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB), soma de todos os bens e serviços produzidos no país. Ontem (13) o ministro da Fazenda, Guido Mantega, disse que a projeção para a expansão do PIB caiu de 3% para 2%.

Em junho, o BC revisou a projeção para este ano de 3,5% para 2,5%. Ao final deste mês, vai divulgar estimativa mais atualizada para a expansão econômica. Para o BC, a economia está em ritmo gradual de retomada do crescimento.

Já as instituições financeiras consultadas todas as semanas pelo BC esperam crescimento de 1,62%, este ano.

Os limites do “desculpe, seu score está baixo”
Imagine a seguinte situação. Você está navegando em uma grande loja de comércio eletrônico e escolhe um novo celular para compra. Na hora do pagament...
Confaz aprova incentivos fiscais concedidos pelo Governo de MS
O Confaz (Conselho Nacional de Política Fazendária) aprovou a convalidação de todos os incentivos fiscais concedidos pelo Governo do Estado em Mato G...
Consumidor terá 30 dias para contratar serviço de esgoto antes de ser multado
Será apresentado às 9h de segunda-feira (18) um termo de parceria entre o Procon-MS (Superintendência para Orientação e Defesa do Consumidor de Mato ...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions