ACOMPANHE-NOS    
JANEIRO, SEXTA  28    CAMPO GRANDE 29º

Economia

Com pandemia em baixa, governo encerra contingenciamento de gastos

Programa foi instituído em abril do ano passado, um mês depois dos primeiros casos de covid-19

Por Adriel Mattos | 07/12/2021 14:16
Governadoria de Mato Grosso do Sul, no Parque dos Poderes. (Foto: Paulo Francis/Arquivo)
Governadoria de Mato Grosso do Sul, no Parque dos Poderes. (Foto: Paulo Francis/Arquivo)

O governo de Mato Grosso do Sul encerrou o plano de contingenciamentos de gastos em razão da pandemia de covid-19. Decreto revogando a normativa do programa foi publicado na edição desta terça-feira (7) do Diário Oficial Eletrônico.

O plano foi instituído em abril de 2020, um mês depois dos primeiros casos da doença causada pelo novo coronavírus serem registrados no Estado. Na época, a administração estadual preferiu se precaver frente à expectativa de queda na receita.

Em maio, a Sefaz (Secretaria de Estado de Fazenda) estimou perda de R$ 280 milhões na arrecadação. Com isso, o governo pretendia economizar R$ 30 milhões ao mês reduzindo as despesas. Nos meses seguintes, os estados ganharam socorro financeiro e outras medidas que aliviaram as contas públicas.

Agora, com o fim da maioria das restrições, a queda nos números de casos, mortes e internações por covid, o Estado pode voltar à rotina. Aliás, 2021 marcou a alta na arrecadação.

De janeiro a setembro, foram levantados R$ 10,1 bilhões em ICMS Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços), segundo análise do Observatório Econômico do Sindicato dos Fiscais Tributários Estaduais. Isso representa 25,8% a mais em relação a 2020, quando foram recolhidos R$ 11 bilhões.

“Mesmo com o ligeiro aumento da arrecadação de 2020 em relação a 2019, conseguimos analisar que a pandemia influenciou nos números. Ainda que no início deste ano tenhamos conturbações, a vacina voltou a animar a economia o que acabou refletindo também na arrecadação”, declarou na época o presidente do sindicato, Francisco Carlos de Assis.

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário