ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
JUNHO, TERÇA  25    CAMPO GRANDE 29º

Economia

Depois dos médicos, prefeito prevê corte nas horas extras de professores

Priscilla Peres e Flávia Lima | 28/04/2015 10:51
Prefeito afirma que cortes são necessários para garantir saúde financeira. (Foto: Marcelo Calzans)
Prefeito afirma que cortes são necessários para garantir saúde financeira. (Foto: Marcelo Calzans)

O prefeito de Campo Grande Gilmar Olarte (PP) disse em agenda pública nesta manhã, que os cortes de horas extras vão atingir também os professores. A administração tem cortado benefícios de todas as áreas para enxugar as despesas em 30% e garantir o pagamento da folha de servidores.

O salário que antes era pago no dia 1° de cada mês, de acordo com o prefeito agora o prazo segue a legislação, até o 5º dia útil. "Para garantir isso é que estão sendo feitos ajustes no funcionalismo, como, inclusive, os cortes dos plantões. Essas medidas ajudarão indiretamente no caixa da prefeitura", ressaltou.

O prefeito ainda disse que sabe que existem funcionários insatisfeitos com a situação dos cortes, mas voltou a afirmar que eles são necessários. "É preferível ter esses ajustes agora do que ficar sem salário ou receber atrasado". A previsão é que os cortes durem 90 dias.

Ainda de acordo com Olarte, repasses do Governo Federal que também sofreram cortes prejudicam o caixa da prefeitura e influenciaram nos municípios. Ele espera que em três meses a situação financeira da prefeitura se normalize e não precise mais de reajustes.

A Escola de Tempo Integral Professora Iracema Maria Vicente, no bairro Rita Vieira, onde ele esteve nesta manhã, solicitou ampliação de seu espaço físico. Olarte se comprometeu em liberar verba para a ampliação assim que o caixa se normalizar.

Mas disse que obras maiores vão ter que esperar um pouco. Mesmo assim, está concluindo licitação para manutenção das escolas escolas. "Independente desses ajustes, a prefeitura está trabalhando como pode e com o número de funcionários que tem para driblar a situação", completou.

Nos siga no Google Notícias