ACOMPANHE-NOS    
OUTUBRO, TERÇA  27    CAMPO GRANDE 23º

Economia

Em 10 anos, setor de serviços quadruplicou movimentação em MS

Mato Grosso do Sul aparece em 8º lugar entre todas os estados no ordenamento de ganhos de participação com R$ 2.617.845.323

Por Gabriel Neris | 24/08/2018 15:55
Bares estão entre as empresas que movimentaram R$ 2,6 bilhões no Estado (Foto: Arquivo)
Bares estão entre as empresas que movimentaram R$ 2,6 bilhões no Estado (Foto: Arquivo)

Levantamento divulgado nesta sexta-feira (24) aponta que o total de salários, retiradas e outras remunerações de empresas do setor de serviços não financeiros (manicure, pedicure, bares, restaurantes, entre outros) foi de R$ 2,6 bilhões em 2016, aumento de 300% em comparação com 2007. Os dados constam na PAS (Pesquisa Anual de Serviços) de 2016 realizado pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

Conforme o estudo, Mato Grosso do Sul aparece em 8º lugar entre todas os estados no ordenamento de ganhos de participação com R$ 2.617.845.323. Em 2007, o Estado contou com R$ 653.498.286.

O setor tinha em 2016, em todo o Brasil, mais de 1,3 milhão de empresas ativas, o que gerou uma receita operacional líquida de R$ 1,5 trilhão e foi responsável pela ocupação de 12,3 milhões de pessoas, uma média de 9 pessoas por emprego. O total de salários, retiradas e outras remunerações dessas empresas foi de R$ 327,6 bilhões, com um rendimento mensal médio por trabalhador de R$ 2 mil.

No entanto, como consequência direta da crise, o estudo contabilizou 410.489 postos de trabalho a menos do que em 2015, uma queda de 3,2%.

Regionalmente, o Sudeste apresentou a maior concentração de empresas: 57,2%; da receita bruta de prestação de serviços (64,8%); de salários, retiradas e outras remunerações (64%) e de pessoal ocupado (57,6%).

No resultado por estados, São Paulo teve a maior participação na receita bruta, com 42,1%, seguido por Rio de Janeiro (13%) e Minas Gerais (7,4%).

Mas foi Mato Grosso, com 0,66 ponto percentual, que obteve o maior ganho de participação no período 2007/2017, seguido de Santa Catarina (0,48) e Paraná (0,34). Já as maiores perdas ocorreram na Bahia (0,318 ponto percentual), Minas Gerais (0,318) e São Paulo (0,318).

O total de empregos no setor cresceu até 2014, quando somou 12,9 milhões de postos de trabalho. Em 2015 e 2016), o emprego entrou em queda e acumulou perdas de 5,3%, o equivalente a 686,5 mil vagas.

(Com informações da Agência Brasil)

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário