A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 17 de Dezembro de 2017

08/07/2013 09:09

Em 12 meses, inflação na Capital supera o previsto e atinge os 5,65%

Ângela Kempfer

A inflação em Campo Grande no último mês atingiu a média de 0,34%, mas em alguns grupos, como o de alimentação, chegou a 0,70%. O de Saúde foi o segundo com maior alta, 0,69%. O IPC (Índice de Preços ao Consumidor) de Campo Grande é divulgado pela Universidade Anhanguera-Uniderp.

Nos últimos doze meses, a cidade já registra inflação acumulada de 5,65%, maior que previsto para o período, que era de 4,5%.

O grupo Alimentação foi o que teve a maior alta em seu índice, de 0,70%, principalmente por conta do custo de hortifrutis, por fatores climáticos, além de produtos derivados do trigo e alguns cortes de carne bovina.

A goiaba, por exemplo, subiu 24,71%, a manga 17,47% e o vinagre 15,57%. Para chegar ao índice bem menor na média do grupo alimentação, contribuíram a queda nos valores do pimentão (-22,20%), beterraba (-16,21%) e abacaxi (-12,12%).

No açougue, as maiores elevações foram do contrafilé 7,52%, lagarto 4,15% e cupim 4,01%; e da carne suína - pernil 1,16%.

Em segundo lugar no ranking da inflação, aparece o grupo Saúde com reajuste de 0,69%, graças aos preços dos antiinfeccioso e antibiótico 5,38%, antigripal e antitussígeno 4,20% e antidiabético 3,81%.

Levando em conta todos os grupos, da ida ao supermercado, a parada no posto de combustíveis, outros produtos que também subiram consideravelmente em Campo Grande em junho foram máquina de lavar roupas (7,72%), absorvente higiênico (5,22%), esponja de aço 6,24%, pilha 4,40%, DVD 3,14%, papel higiênico (3,86%), produtos para a limpeza da pele (1,94%), óleo diesel (0,82%), automóvel novo (0,38%) e gasolina (0,25%).

O único grupo com deflação é o de Habitação, com (-2,52%).

“Mesmo com essa moderada alta na inflação, tudo indica que o acumulado do ano deve ficar muito próximo do centro da meta inflacionária estabelecida pelo Conselho Monetário Nacional (CMN), que é de 4,5%, com tolerância de ± 2%”, prevê o coordenador do Núcleo de Pesquisas Econômicas, professor Celso Correia de Souza.

As compras do mês já ficaram 13,99% mais caras desde junho do ano passado. No quesito vestuário subiram 10,10%, nos últimos doze meses, assim como os gastos com Educação que ficaram 9,44% mais altos, de despesas Pessoais subiram 6,70% e com transportes aumentaram 6,15%.

Os limites do “desculpe, seu score está baixo”
Imagine a seguinte situação. Você está navegando em uma grande loja de comércio eletrônico e escolhe um novo celular para compra. Na hora do pagament...
Confaz aprova incentivos fiscais concedidos pelo Governo de MS
O Confaz (Conselho Nacional de Política Fazendária) aprovou a convalidação de todos os incentivos fiscais concedidos pelo Governo do Estado em Mato G...
Consumidor terá 30 dias para contratar serviço de esgoto antes de ser multado
Será apresentado às 9h de segunda-feira (18) um termo de parceria entre o Procon-MS (Superintendência para Orientação e Defesa do Consumidor de Mato ...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions