ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
MARÇO, DOMINGO  03    CAMPO GRANDE 26º

Economia

Escola que abusar em reajuste da mensalidade será multada em R$ 8 mil

Reunião com sindicatos será feita na próxima semana para discutir índices de correções para o setor

Karine Alencar | 24/09/2022 08:39
Carteiras de sala de aula vazias em escola particular de Campo Grande (Foto: Arquivo/ Campo Grande News)
Carteiras de sala de aula vazias em escola particular de Campo Grande (Foto: Arquivo/ Campo Grande News)

Escolas particulares de Mato Grosso do Sul que aplicarem correções abusivas nos reajustes das mensalidades, poderão receber multas a partir de R$ 8.900, segundo alerta feito pelo Procon-MS (Superintendência Para Orientação e Defesa do Consumidor de Mato Grosso do Sul).

Normalmente, as unidades aproveitam o mês de outubro para divulgarem os aumentos que passam a valer no ano seguinte. De acordo com o superintendente do Procon, Rodrigo Coaf, uma reunião com o Sinep (Sindicato dos Estabelecimentos de Ensino de MS), será feita na próxima semana para discutir índices de correções para o setor.

Segundo ele, caso a família não compactue com o montante estabelecido, a orientação é procurar a unidade e tentar entrar em acordo. " O cliente poderá fazer um requerimento por escrito pedindo o detalhamento dos motivos dos novos valores. A escola tem obrigação de responder anexando planilhas e detalhando o que motivou a alta. Na verdade, a gente sabe que os reajustes consideram impactos da covid, a energia, a água", enumera.

Segundo Audie Andrade Salgueiro, presidente do Sinep não existe uma margem estabelecida às instituições de ensino. A orientação é que cada escola tenha uma planilha de planejamento de correções de custo para determinar o reajuste junto à família.

"As escolas possuem autonomia, elas podem fazer o reajuste ou não. Ela pode reduzir, manter, aumentar. Isso é sempre negociado na base da conversa. Os pais devem pensar se a escola está sendo benéfica para a criança, da mesma forma em que o polo deve avaliar se da para manter o valor", considera.

Venda casada- Outro ponto que é preciso ficar atento é o de venda casada: O superintendente destaca que é proibido relacionar a compra de materiais e uniformes com outras taxas escolares.

Rodrigo destacou ainda que os pais podem fazer a matrícula em outubro, comprar os materiais em dezembro, bem como os uniformes, até a data de início das aulas.

"Matrícula é uma coisa, mensalidade é outra, uniforme e materiais são outros pontos. Não é permitido exigir, jamais, que façam várias coisas ao mesmo tempo", enfatiza. Em caso de dúvida quanto aos reajustes, as famílias podem procurar o Procon.

Nos siga no Google Notícias