ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
FEVEREIRO, QUINTA  22    CAMPO GRANDE 23º

Economia

Governador pede plano de ação para comitiva que participa da expedição até Chile

Medida servirá para iniciar as tratativas com os presidentes dos demais países que integram Rota Bioceânica

Por Gabriela Couto e Paulo Cruz, direto de Iquique | 28/11/2023 18:41
Expedição chega ao destino, o Porto de Iquique, no Chile (Foto: João Garrigó)
Expedição chega ao destino, o Porto de Iquique, no Chile (Foto: João Garrigó)

Centenas de garças-brancas anunciavam a chegada da 3ª Expedição da Rila (Rota de Integração Latino-Americana) ao Oceano Pacífico, nesta terça-feira (28). Após quatro dias de viagem, com saída em Campo Grande, o grupo com autoridades, empresários e jornalistas enfim concluiu o trecho até Iquique, no Chile.

De acordo com o secretário de Estado de Meio Ambiente, Desenvolvimento, Ciência, Tecnologia e Inovação, Jaime Verruck, ter feito o trajeto por terra já rendeu missões dadas pelo governador Eduardo Riedel (PSDB).

“Hoje pela manhã, o governador já pediu para fazer um bom plano de ação que identifique em todos os países o que precisamos fazer para irmos atrás de promover as melhorias que faltam”, afirma.

Pelo caminho, Verruck afirma ter encontrado muita vontade dos governadores e gestores de fazerem o projeto de ligação bioceânica dar certo. “A ideia é chegar com nossos produtos e ter os produto daqui para MS. Conhecer in loco é muito importante. Tenho falado sobre essa rota em palestras pelo mundo todo. Vimos a vontade de todos no caminho de construir essa rota”.

Momento de homenagem entre autoridades sul-mato-grossense que entregam réplica da ponte da Rota Bioceânica a autoridade chilena (Foto: João Garrigó)
Momento de homenagem entre autoridades sul-mato-grossense que entregam réplica da ponte da Rota Bioceânica a autoridade chilena (Foto: João Garrigó)

Dentre os desafio elencados pelo secretário após chegar ao Chile estão terminar a ponte, o acesso da ponte, a obra no trecho do Paraguai onde o grupo literalmente atolou, melhorar a infraestrutura e principalmente fazer um grande acordo alfandegário.

Também foi possível já encontrar vários caminhões passando pelos Andes, levando diversos produtos. “Ela está quase pronta, é importante esse conceito de construção coletiva, vamos voltar aqui totalmente asfaltado e com alfândegas regularizados daqui três anos. Nós no governo chamamos de Rota 67, porque é melhor que a rota 66 dos EUA. Você sair da maior planície e chegar ao deserto mais alto do mundo, só aqui. O turismo vai ser fundamental. A integração turística vai ser muito forte. Isso já está quase pronto para estimular integração cultural dessas regiões”.

O vice-governador José Carlos Barbosa, o Barbosinha (PP), fez o primeiro voo de avião, saindo de Campo Grande até Iquique (PP). Segundo ele, a expedição mostra a consolidação de uma rota econômica. “Sobretudo integra nossos povos, nossas culturas, tradições, turismo e o agronegócio. Estamos comemorando o primeiro voo da Capital até aqui e sabemos que é muito importante para ver os gargalos e os pontos que ainda precisamos avançar para a rota deixar de ser um sonho e que se transforme em realidade”.

O diretor de operações de segurança do Porto de Iquique, José Miranda, afirmou que o local já está pronto para receber os produtos brasileiros. “É conveniente para todos os empresários fazer importação e exportação. Estamos no centro do mundo asiático. Os terminais estão se preparando para ampliar a capacidade do porto. Serão 300 metros com possibilidade de aumentar a carga para dar todas as condições que necessitam para que a carga fique o menor tempo possível aqui”.

Ele disse que o porto já faz exportação de soja boliviana e minérios. No entanto, faltam algumas tecnologias que devem chegar até o local em até cinco anos.

Receba as principais notícias do Estado pelo Whats. Clique aqui para acessar o canal do Campo Grande News.

Nos siga no Google Notícias