ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
MAIO, SEGUNDA  27    CAMPO GRANDE 12º

Economia

Ministro defende menos impostos para impulsionar micro empresas

Liana Feitosa | 24/06/2015 12:43
Para ministro Guilherme Afif Domingos, empresário precisa perder medo de faturar mais para sair da informalidade. (Foto: Marcos Ermínio)
Para ministro Guilherme Afif Domingos, empresário precisa perder medo de faturar mais para sair da informalidade. (Foto: Marcos Ermínio)

"Quando todos pagam menos impostos, os governos arrecadam mais", afirmou o ministro da Secretaria da Micro e Pequena Empresa, Guilherme Afif Domingos, que veio a Campo Grande para falar sobre o Projeto de Lei Crescer Sem Medo.

O projeto pretende mudar as regras do Simples Nacional e, assim, ampliar a faixa de faturamento das micro e pequenas empresas do país. Em entrevista na manhã desta quarta-feira (24), explicou a importância do ajuste para estimular o crescimento da economia.

Sem medo - "Buscamos a ampliação a faixa de faturamento das empresas do Supersimples dos atuais R$ 3,6 milhões anuais para R$ 7,2 milhões. À medida que você incentiva a empresa a crescer, quando o empresário perde esse medo de faturar mais, ele vem pra formalidade. Escreva: quando todos pagam menos, os governos arrecadam mais", garante o ministro.

Isso acontece porque, as empresas que pertencem ao Simples Nacional, faturam até R$ 3,6 milhões no ano e, por isso, recolhem uma quantia específica de impostos. A partir do momento que essas empresas apresentam faturamento superior, são cobrados impostos a mais pelo faturamento excedente, o que inviabiliza o crescimento do negócio.

"Tem empresário que, quando chega o meio do mês, liga para o contador e fala ele parar de emitir nota fiscal para não mudar de faixa (de arrecadação de impostos). Isso é uma informalidade", explica.

Negócio local - Segundo Afif, um dos caminhos para o desenvolvimento dos micro e pequenos negócios é apostar no agronegócio. "O agronegócio é o carro chefe do Brasil, exemplo disso é o Mato Grosso do Sul, que apresenta crescimento extraordinário. Mas aprendi na minha escola, que é a (Rua) 25 de Março (em São Paulo), que quando chove na cabeceira, não sobra mercadoria na prateleira", analisa.

João Carlos Polidoro, presidente da ACICG, destava importância das mudanças para aquecer economia local. (Foto: Marcos Ermínio)
João Carlos Polidoro, presidente da ACICG, destava importância das mudanças para aquecer economia local. (Foto: Marcos Ermínio)

"Quando a agricultura vai bem, o comércio vai bem. E quando o comércio vende, não tem desemprego na indústria", finaliza.

MS - Para João Carlos Polidoro, presidente da ACICG (Associação Comercial e Empresarial de Campo Grande), a mudança, se aprovada, será uma resposta positiva ao atual momento de estagnação econômica do Brasil.

"Em Mato Grosso do Sul, temos cerca de 178 mil empresas, a maioria delas são micro ou pequenas empresas. Por isso, a partir do momento que for ampliada a faixa de faturamento delas, teremos um resultado muito positivo no Estado a curto prazo", compartilha Polidoro.

Ou seja, o problema não é crescer, mas, sim, pagar impostos insustentáveis. Para Polidoro, a resposta à crise é oferecer oportunidade de crescimento. "Na crise, as pessoas saem da zona de conforto e criam novas maneiras de conquistar o consumidor", pontua.

Nos siga no Google Notícias