A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 24 de Janeiro de 2018

01/11/2012 14:10

Mudança da economia de MS precisa ser ordenada, avalia Dieese

Paula Vitorino
Coordenador do Dieese fala sobre mudanças na economia do Estado. (Foto: Pedro Peralta)Coordenador do Dieese fala sobre mudanças na economia do Estado. (Foto: Pedro Peralta)

Mato Grosso do Sul cresce a cada ano com a entrada de novas indústrias e segmentos que não estão ligados diretamente ao agronegócio, mas o Dieese (Departamento Intersindical de Estatísticas e Estudos Socioeconômicos) aponta que agora é preciso se preocupar para que o crescimento não aconteça de forma “desordenada”.

O coordenador de relações sindicais, José Silvestre Prado de Oliveira, avalia que o Estado está passando por mudança no perfil da economia.

“Está deixando de ter peso só no agronegócio. Tem investimentos pesados em setores como sucroalcooleiro e celulose”, diz. Para os próximo anos, a perspectiva de crescimento é de 4%.

O município de Três Lagoas é considerado o centro dessa mudança pelo constante crescimento no número de indústrias. José cita alguns fatores decisivos para o interesse na região: posição estratégica - próximo a São Paulo; contar com hidrovias, ferrovias e rodovias; incentivo dos governos e o fator da mão de obra mais barata – em comparação com o pólo paulista.

Atraídos pela oportunidade de emprego, José alerta que a população da cidade dobrou em poucos anos, mas sem infraestrutura adequada.

“A cidade não tem infraestrutura para dar conta das demandas sociais que acompanham o crescimento”, diz.

Com isso, o reflexo negativo pode acontecer no aumento do índice de violência, por exemplo.

No lado positivo, está a criação de empregos formais. “É um setor que tem mais empregos formais e tende a ter melhor salário que em comparação ao setor agroindustrial”, diz.

Mas aliado a isso José ressalta que é preciso haver fiscalização trabalhista, já que existem muitas denúncias de trabalho irregular. Isso impede que a cidade seja vista pelos empresários como “fuga” para a remuneração adequada aos empregados.

Em todo o Estado, a geração de empregos passou de 490 mil, em 2007, para 600 mil, em 2011.

Caixa Econômica Federal não usará empréstimo do FGTS em 2018
Apesar da necessidade de cumprir padrões mais elevados de segurança financeira a partir de 2019, a Caixa Econômica Federal não usará o empréstimo de ...
Déficit deverá ficar até R$ 40 bilhões abaixo da meta, diz ministro
O déficit primário – rombo nas contas do governo excluindo os juros da dívida pública – em 2017 deverá ficar de R$ 20 bilhões a R$ 40 bilhões abaixo ...
Prazo para microempreendedor regularizar situação é prorrogado até sexta-feira
Os microempreendedores individuais (MEI) em atraso com o governo ganharam mais três dias para regularizar a situação. O prazo para a quitação das dív...


Trabalho sim. Saúde aos Trabalhadores Também.
 
elio sandim em 01/11/2012 17:50:18
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions