A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 17 de Agosto de 2018

29/08/2017 17:43

Orçamento será enviado com déficit original caso Congresso não aprove nova meta

Wellton Máximo, da Agência Brasil

Previsto por lei para ser enviado ao Congresso Nacional até quinta-feira (31), o Orçamento Geral da União para 2018 será elaborado com a meta original de déficit primário de R$ 129 bilhões, caso o Congresso não aprove a mudança da meta ainda esta semana. Segundo a secretária do Tesouro Nacional, Ana Paula Vescovi, o governo pode enviar uma proposta com os parâmetros originais da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) e fazer os ajustes assim que os parlamentares aprovarem a nova meta de déficit de R$ 159 bilhões para o próximo ano.

“Existe a possibilidade de duas alternativas. Ou a gente manda a peça orçamentária com meta atualmente vigente [R$ 129 bilhões] ou, se houver aprovação da nova meta [R$ 159 bilhões], será possível apresentar a peça com a nova meta proposta. O processo está sendo conduzido pelo Ministério do Planejamento e tomaremos medidas de acordo com preceitos legais”, declarou a secretária.

Inflação

Em relação ao déficit primário recorde de R$ 20,152 bilhões em julho, a secretária do Tesouro afirmou que a queda da inflação, apesar de ser um fenômeno positivo, tem um efeito perverso sobre as contas públicas porque reduz o ritmo de crescimento da arrecadação. Segundo a secretária, o efeito é duplo: queda das receitas em meio ao aumento de despesas por causa da correção pela inflação dos anos anteriores.

Em 2015, quando a inflação pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) fechou o ano em 10,71%, a arrecadação das receitas administradas e da Previdência Social aumentou R$ 51,6 bilhões, enquanto as despesas subiram R$ 28,5 bilhões. A tendência, no entanto, reverteu-se nos anos seguintes. Em 2016, quando o IPCA caiu para 6,29%, as receitas cresceram R$ 33,4 bilhões, mas as despesas aumentaram bem mais: R$ 56,4 bilhões.

Nos sete primeiros meses deste ano, as receitas subiram R$ 8,7 bilhões, contra crescimento de R$ 36,4 bilhões nas despesas totais. Nos 12 meses terminados em julho, o IPCA acumula variação de 2,71%, abaixo do piso de 3% para a meta de 2017. De acordo com a secretária do Tesouro, esse fenômeno ocorre porque muitos gastos, como salário mínimo, são indexados e somente no ano seguinte são reajustados pela inflação do ano anterior.

“A queda sustentável da inflação é um fenômeno histórico que dá estabilidade para a economia, mas ela tem um impacto sobre as contas públicas. As receitas são afetadas pela inflação corrente, mas algumas despesas são indexadas à inflação passada. Esse processo gera um impacto defasado no balanço fiscal”, disse Ana Paula Vescovi.

Hotel em Orlando ganha tema Jurassic World
Sempre se reinventando, Orlando não mede gastos para investir seja em novas atrações nos parques ou em estrutura e serviços para os turistas. Agora é...
Dólar fecha a R$ 3,9052, com leve alta de 0,12%
A moeda norte-americana encerrou o pregão de hoje (16) em alta de 0,12%, cotada a R$ 3,9052 para venda. Sem alterar sua política cambial, o Banco Cen...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions