A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 13 de Dezembro de 2017

23/10/2013 15:35

Polêmico, mercado "da morte" fatura, no mínimo, R$ 5,6 milhões por ano

Aliny Mary Dias
O setor movimentou R$ 5,6 milhões, se levado em conta o valor mínimo de cada serviço funerário em 2012 (Foto: Cleber Gellio)O setor movimentou R$ 5,6 milhões, se levado em conta o valor mínimo de cada serviço funerário em 2012 (Foto: Cleber Gellio)

Um mercado que movimenta, no mínimo, R$ 5,6 milhões por ano em Campo Grande, é o motivo da disputa entre a Prefeitura e as empresas funerárias. A última queda de braço teve o desfecho ontem (22), quando a Justiça concedeu liminar à associação que representa as empresas e suspendeu a concorrência que vai escolher 20 funerárias para explorar os serviços na Capital.

De acordo com o último balanço divulgado pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), em 2012, 2.813 mil pessoas morreram em Campo Grande. Desse total, 1.551 eram homens e 1,2 mil mulheres.

O Campo Grande News apurou que um serviço funerário básico, envolvendo velório, caixão e sepultamento, custa no mínimo R$ 2 mil em Campo Grande. Mas conforme as regalias e necessidade dos familiares, o valor pode chegar a R$ 10 mil.

Só em 2012, por exemplo, o setor movimentou R$ 5,6 milhões, se levado em conta o valor mínimo de cada serviço funerário. O montante, que pode chegar a R$ 28,1 milhões em 5 anos – tempo máximo da licitação – é o motivo da disputa entre a Prefeitura e as empresas.

O valor, por exemplo, não considera também o valor pago pelos moradores a título de Pax, que é uma prestação mensal para ter direito a uma vaga no cemitério, caixão e local para o velório. 

Para o presidente da Aepaf/MS (Associação das Empresas de Pax e Funerárias), Ilmo Cândido, o desentendimento que precisou chegar à Justiça para ser solucionado começou com a falta de receptividade do prefeito Alcides Bernal (PP).

Associação das empresas entrou na Justiça para suspender licitação (Foto: Cleber Gellio)Associação das empresas entrou na Justiça para suspender licitação (Foto: Cleber Gellio)

“Nós nunca tivemos problema com a administração pública. O que acontece é que nós estamos tentando discutir com o Bernal desde janeiro, mas a única pessoa a nos receber foi a chefe da Agência de Regulação”, afirma Ilmo.

Entre as irregularidades indicadas pela associação e acatadas pela 1ª Vara de Fazenda Pública e Registros Públicos e pelo TCE (Tribunal de Contas do Estado), está a criação de um novo tributo no valor de 1% que seria pago pelas empresas à Agereg (Agência Municipal de Regulação dos Serviços Delegados) e mais 1% à Semadur (Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Desenvolvimento Urbano).

Em um ano, o valor repassado à administração pública somaria em média R$ 112 mil. Outro problema identificado pela associação das empresas é a obrigatoriedade em realizar a tanatopraxia, procedimento de preparação dos corpos, mesmo sem ciência da família e com o custeamento por parte das funerárias.

“Isso não existe no Brasil. Imagina a gente abrir um corpo sem a autorização da família. Como essas pessoas iam se sentir?”, questiona Cândido.

Concorrência – A licitação reaberta pela Prefeitura da Capital em setembro deste ano foi publicada no Diogrande (Diário Oficial de Campo Grande). Na modalidade de concorrência de “maior oferta”, o executivo abriu seleção para até 20 empresas para exploração e prestação do serviço.

As propostas que deviam ter o pagamento de outorga “onerosa” deviam ser entregues até hoje, mas com a suspensão da licitação, a abertura dos envelopes não ocorreu.

Na última sexta-feira, a Aepaf entrou com pedido de mandado de segurança, que foi acatado no fim da tarde de ontem. O objetivo era realizar uma avaliação técnica do edital.

Com suspensão de licitação das funerárias, Prefeitura não abre propostas
Suspensa na tarde de ontem (22) por ordem do juiz da 1ª Vara de Fazenda Pública e Registros Públicos, Alexandre Tsuyoshi Ito, a abertura das proposta...
Justiça concede liminar e suspende licitação sob suspeita das funerárias
A Justiça suspendeu, na tarde de hoje (22), a concorrência 07/2013, que vai selecionar 20 empresas para a exploração dos serviços funerários em Campo...


são verdadeiros urubus atrás de um defunto.
 
Marcos Wild em 24/10/2013 07:40:25
Assino o que Jose Alfredo de Melo escreveu
 
Lúcia de Freitas em 23/10/2013 17:14:46
Campo Grande precisa, com urgência, de um crematório.
 
Jose Alfredo de Melo em 23/10/2013 15:51:14
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions