A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 17 de Dezembro de 2017

07/05/2008 08:04

Preços gerais da economia têm alta de 1,12% em abril

Redação

A inflação medida pelo Índice Geral de Preços - Disponibilidade Interna (IGP-DI) avançou sobre o resultado de março (0,70%) e fechou o mês de abril em 1,12%.

As informações foram divulgadas hoje (7) pela Fundação Getulio Vargas (FGV) e apontam que desde o início do ano a variação chega a 3,22%, acumulando alta de 10,24% nos últimos 12 meses.

O IGP-DI faz parte de uma cesta de índices utilizada como parâmetro para a correção dos contratos de telefonia.

Segundo o último boletim Focus, apresentado pelo Banco Central na segunda-feira (5), a projeção do IGP-DI para o mercado atacadista subiu de 6,01% para 6,28% e ficou em 5,02% em 12 meses, contra os 4,98% previstos anteriormente.

Com isso, a projeção para a inflação oficial continua em alta, se distanciando da meta fixada pelo governo para este ano, que é de 4,5%.

Entre os índices que formam o IGP-DI, o Índice de Preços por Atacado (IPA), registrou variação de 1,30%, mais elevada do que a taxa de 0,80% do mês anterior.

A aceleração foi puxada pela alta em bens intermediários (de 1,01% para 1,88%), com destaque para materiais e componentes para a manufatura (de 1,00% para 1,91%); e pela elevação em matérias-primas brutas (de 0,92% para 1,90%), cujas principais contribuições vieram de arroz em casca (de -1,30% para 27,78%), minério de ferro (9,11% para 13,48%) e mandioca (-11,45% para -6,53%).

Já a taxa de bens finais recuou de 0,44% para 0,05%, influenciada pela queda nos preços dos alimentos in natura (de 0,39% para -7,58%). O IPA representa 60% do IGP-DI.

O Índice de Preços ao Consumidor (IPC), que corresponde a 30% do índice geral, também aumentou, passando de 0,45% em março para 0,72% em abril. Houve acréscimo em três das sete classes de despesa que compõem esse índice.

A alta em alimentação (de 0,62% para 1,69%) foi a principal responsável pela elevação do IPC e as principais contribuições vieram de carnes bovinas (de -1,82% para 1,28), frutas (de 0,78% para 4,39%), hortaliças e legumes (de 3,18% para 5,48%) e panificados e biscoitos (de 1,87% para 5,78%).

Também houve acréscimo em vestuário (de -0,29% para 1,23%) e saúde e cuidados pessoais (de 0,34% para 0,69%). Por outro lado, o IPC registrou recuo nas taxas de variação de habitação (de 0,47% para 0,22%), educação, leitura e recreação (de 0,55% para 0,07%), transportes (de 0,35% para 0,33%) e despesas diversas (de 0,29% para 0,19%).

Os limites do “desculpe, seu score está baixo”
Imagine a seguinte situação. Você está navegando em uma grande loja de comércio eletrônico e escolhe um novo celular para compra. Na hora do pagament...
Confaz aprova incentivos fiscais concedidos pelo Governo de MS
O Confaz (Conselho Nacional de Política Fazendária) aprovou a convalidação de todos os incentivos fiscais concedidos pelo Governo do Estado em Mato G...
Consumidor terá 30 dias para contratar serviço de esgoto antes de ser multado
Será apresentado às 9h de segunda-feira (18) um termo de parceria entre o Procon-MS (Superintendência para Orientação e Defesa do Consumidor de Mato ...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions