ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
MAIO, SEXTA  17    CAMPO GRANDE 26º

Economia

Prefeitura propõe novo Refis para reduzir débito que chega a R$ 2,6 bi

Projeto de lei foi enviado à Câmara Municipal de Campo Grande para análise da medida

Mayara Bueno e Kleber Clajus | 22/08/2018 09:53
Contribuintes na fila de espera para renegociar dívidas, em outubro passado. (Foto: Marina Pacheco/Arquivo).
Contribuintes na fila de espera para renegociar dívidas, em outubro passado. (Foto: Marina Pacheco/Arquivo).

A prefeitura de Campo Grande quer abrir mais uma vez o Refis (Programa de Refinanciamento de Dívidas) para os contribuintes. Um projeto de lei autorizando a medida já foi enviado à Câmara Municipal da Capital para avaliação dos vereadores.

Segundo o secretário de Finanças do município, Pedro Pedrossian Neto, o montante da dívida chega a R$ 2,6 bilhões. Contudo, a expectativa é que a prefeitura consiga arrecadação de R$ 25 milhões com as renegociações, em uma projeção "conservadora". O intuito é conseguir R$ 12,5 milhões por mês - serão dois meses do programa.

Vale lembrar que este é o quarto programa desta natureza que o Executivo municipal abre. Da última vez, em dezembro de 2017, entraram para os cofres municipais quase R$ 47 milhões.

O secretário explicou, ainda, que, embora já tenha ocorrido outros programas de renegociação de dívidas, o projeto "não será anual", para não criar uma cultura de que o contribuinte pode deixar de pagar em dia seus impostos e esperar o refinanciamento da dívida meses depois.

O texto prevê desconto de 90% nos juros e correção, além de 80% nas multas. Não entram na renegociação débitos relativos à penalidades de trânsito, aplicadas pela Agetran (Agência Municipal de Trânsito).

Outra novidade neste projeto é que o contribuinte não vai precisar ir à Central do Cidadão. A ideia é que, se a medida for aprovada na Câmara, cartas com o total da dívida e o valor com desconto seja enviada ao contribuinte em dívida, para que ele já pague, caso tenha condições.

Antes de ser colocado em prática, os vereadores precisam aprovar e o prefeito Marquinhos Trad (PSD) sancionar a medida. 

Ações - Pedrossian explicou que a nova edição do refinanciamento de dívidas ocorre para suprir um dinheiro que, neste ano, não vai entrar nos cofres públicos. Ele se refere à venda da folha de pagamento dos servidores que, em 2017, garantiu R$ 50 milhões.

Além disso, a estimativa é que, a partir de setembro, o município ultrapasse de vez "a fase difícil". Como exemplo de que a saúde financeira dá sinais de recuperação, o secretário citou que no mesmo período de 2017, a prefeitura contava com sobra de R$ 800 mil, sem o 13º dos funcionários garantido.

Agora, a sobra é semelhante, porém o caixa municipal já conta com o dinheiro referente ao salário extra, que gira em torno de R$ 110 milhões.

Nos siga no Google Notícias