ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
FEVEREIRO, TERÇA  27    CAMPO GRANDE 24º

Economia

Previsto em pacote para fomentar economia, uso de FGTS requer cautela

Ricardo Campos Jr. | 15/12/2016 18:09
Presidente anuncia pacote de medidas em coletiva nesta quinta (Foto: divulgação / Palácio do Planalto)
Presidente anuncia pacote de medidas em coletiva nesta quinta (Foto: divulgação / Palácio do Planalto)

Pacote de medidas para fomentar a economia anunciado nesta quinta-feira (15) pelo Governo Federal abre a possibilidade de o trabalhador usar parte do FGTS para quitar dívidas bancárias. Embora atrativo, o mecanismo pode esconder ciladas se não houver planejamento por parte da população, alerta o economista Márcio Coutinho, professor da Universidade Estácio de Sá.

Na avaliação do especialista, antes de usar o montante é preciso refletir qual efeito prático terá o investimento na vida financeira. “É vantagem desde que a pessoa consiga um belo desconto e saia do buraco. Não adianta pagar a conta com o FGTS e no mês seguinte estar no vermelho novamente. O principal é mensurar a capacidade de pagamento”, explica.

Dependendo da situação, Coutinho orienta procurar diretamente o banco para negociar os débitos, uma vez que o FGTS é uma segurança que o trabalhador tem para não ficar desamparado financeiramente em caso de demissão.

“Tem que fazer o orçamento, senão troca seis por meia dúzia e a pessoa usa um dinheiro que poderia usar lá para a frente”, orienta.

O pacote de medidas, conforme Coutinho, é a forma que o Governo Federal encontro para aquecer a economia, porque se as pessoas estão endividadas, não conseguem crédito por terem a renda comprometida, já que os nomes ficam negativados.

Se o problema afeta uma empresa, diz o economista, pode haver corte de funcionários, que também vai refletir na economia, pois reduz o poder de consumo pelo desemprego. “Eu penso que deva ser analisado caso a caso. O governo sabe que pode, de certa maneira, ajudar a economia. Resta ao consumidor que vai estar diante dessa situação, usá-la de maneira inteligente”

Também estão previstas novas normas para incentivar o cadastro positivo, ou seja, àqueles que conseguem pagar suas contas em dia. Os adimplentes, nesse caso, teriam mais facilidades para acessar créditos.

O Governo Federal também estuda mecanismos para simplificar o pagamento de tributos pelas pessoas jurídicas. A ideia é que as empresas possam pagar de forma unificada todos os impostos e contribuições.

Também estão sendo planejadas novas faixas para adesão ao programa Minha Casa, Minha Vida. Atualmente o teto do orçamento familiar para se ter acesso aos benefícios é de R$ 6,5 mil e deve ser ampliado.

Nos siga no Google Notícias