ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
JUNHO, SEGUNDA  17    CAMPO GRANDE 21º

Economia

“Todas as redes serão afetadas”, diz sindicato sobre reajuste do combustível

De acordo com o Instituto Brasileiro do Petróleo, a medida pode aumentar de 4% a 7% o preço da gasolina

Por Izabela Cavalcanti | 10/06/2024 13:47
Frentista abastecendo veículo em posto de combustíveis (Foto: Henrique Kawaminami)
Frentista abastecendo veículo em posto de combustíveis (Foto: Henrique Kawaminami)

A Medida Provisória 1227/2024, que limita o crédito do PIS (Programa de Integração Social) e da Cofins (Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social) para abatimento de outros tributos, já tem causado euforia no setor de combustíveis. A promessa é de que a partir de terça-feira (11) comece a mudança nos preços, que ainda não tem uma definição certa de aumento, mas é estimado em até 7% para a gasolina, por exemplo.

A possibilidade do reajuste veio à tona após a rede Ipiranga ter emitido um comunicado sobre a alteração no valor.

O presidente do Sinpetro-MS (Sindicato do Comércio Varejista de Derivados de Petróleo e Lubrificantes de Mato Grosso do Sul), Edson Lazaroto acredita que todas as redes serão afetadas. “Não somente a Ipiranga, acredito que todas [as redes] serão afetadas”, disse.

Ele também pontua que outros setores também devem entrar na mira. “Deve afetar a todos os setores, não somente os combustíveis, caso realmente venha a se confirmar, pois hoje muitos setores da economia estão se movimentando. Transporte público, fretes de cargas de alimentos, no agro, enfim, impacta em toda a economia”, destacou.

De acordo com o IBP (Instituto Brasileiro do Petróleo), a medida pode causar aumento de 4% a 7% na gasolina e de 1% a 4% no diesel.

A Fecombustíveis (Federação Nacional do Comércio de Combustíveis e de Lubrificantes) emitiu nota dizendo que a MP poderá gerar impactos no caixa e nos investimentos produtivos e de logística das empresas de produção, distribuição e transporte de combustíveis.

“Como consequência lógica da oneração fiscal, existe a probabilidade de aumento de custos na cadeia de circulação comercial dos combustíveis, desde os produtores, passando pelos distribuidores e até o transporte, chegando aos postos e consumidor final”, informou a nota.

Entenda – A MP foi publicada no dia 4 de junho, e serve como compensação à desoneração da folha salarial dos 17 setores que mais empregam e dos municípios.

Antes da Medida Provisória, as empresas conseguiam acumular créditos de PIS/Cofins para diminuir o pagamento de débitos de outros tributos federais. Agora, o Governo Federal limitou o uso dessas compensações para abater apenas o pagamento do próprio PIS/Cofins.

Receba as principais notícias do Estado pelo Whats. Clique aqui para acessar o canal do Campo Grande News e siga nossas redes sociais.

Nos siga no Google Notícias