ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
JULHO, SEGUNDA  15    CAMPO GRANDE 18º

Economia

Vazio sanitário, que segue até setembro, beneficia lavouras de soja de MS

Estratégia de manejo quebra o ciclo da ferrugem-asiática, maior ameaça à sojicultura

Osvaldo Júnior | 22/06/2017 15:30
Lavoura de soja com ferrugem-asiática (Foto: Divulgação/Embrapa)
Lavoura de soja com ferrugem-asiática (Foto: Divulgação/Embrapa)

Mato Grosso do Sul está em período de vazio sanitário até o dia 15 de setembro. A estratégia de manejo beneficia a sojicultura, porque atrasa a entrada do fungo causador da ferrugem-asiática, quebrando o cliclo da doença. No Brasil, 11 estados e o Distrito Federal adotam essa medida, estabelecida por meio de normativas estaduais. Além do Brasil, o Paraguai também estabeleceu o período de vazio sanitário.

A pesquisadora da Embrapa Soja, Claudine Seixas, explica que que o fungo que causa a ferrugem-asiática é biotrófico, ou seja, precisa de hospedeiro vivo para se desenvolver e multiplicar. “Ao eliminarmos as plantas de soja na entressafra quebramos o ciclo do fungo, reduzindo assim a quantidade de esporos presentes no ambiente”, informa.

Na avaliação da especialista, o vazio sanitário é uma das principais estratégias para o manejo da ferrugem-asiática da soja, que é a mais severa doença dessa cultura.

O engenheiro agrônomo da Embrapa Agropecuária Oeste, Alexandre Dinnys Roese, enfatiza que no Mato Grosso do Sul as condições climáticas favorecem a sobrevivência das plantas voluntárias de soja na entressafra, ao contrário do que acontece nos Estados do Sul do Brasil, onde o clima frio e as geadas dificultam a sobrevivência de plantas voluntárias de soja.

“Temos poucas ocorrências de geada e as temperaturas médias são mais altas no MS do que no Sul, assim a germinação de sementes de soja e seu crescimento no inverno é favorecida”, explica. "Prova disso é que os primeiros relatos da ferrugem asiática na safra normalmente ocorrem aqui na região Centro Oeste do Brasil", acrescenta.

Roese destaca a relação custo-benefício do vazio sanitário, pois gera economia, por meio da redução da quantidade de aplicação de produtos químicos para controle da ferrugem asiática.

Outro benefício dessa estratégia de manejo é contribuir para evitar que o fungo desenvolva resistência aos produtos químicos disponíveis. 

Fiscalização e multas – A fiscalização do Iagro em 2017, deve alcançar 1 milhão e 900 mil hectares, ou seja, 74% da área plantada no Estado, por meio de uma equipe composta por 27 fiscais da área vegetal do Iagro.

A legislação estabelece três ações fundamentais que precisam ser realizadas pelos produtores: realização no período de 1º de setembro a 10 de janeiro, do ano anterior, do Cadastro da área de Plantio de Soja (on-line); destruição e controle das plantas voluntárias de soja; e não cultivar soja durante todo o período de vazio sanitário.

Infringir qualquer uma destas determinações implica em multas que são estabelecidas em unidades fiscais estaduais de referência (Uferms), com a cotação de junho em R$ 24,66 (por unidade).

Para os produtores que não realizam o cadastro é de 100 Uferms; não realizar o controle das plantas voluntárias de soja é de 200 Uferms e cultivar lavoura de soja, em período de vazio sanitário, a multa é de 1000 Uferms. (Com assessoria)

Nos siga no Google Notícias