ACOMPANHE-NOS    
AGOSTO, TERÇA  16    CAMPO GRANDE 18º

Educação e Tecnologia

Duas universidades de MS figuram em ranking global, mas nas últimas posições

Pela primeira vez, a UFGD apareceu na lista, juntamente com a UFMS e outras 57 universidades do Brasil

Por Jhefferson Gamarra | 02/09/2021 13:05
Campus da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul. (Foto: Henrique Kawaminami)
Campus da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul. (Foto: Henrique Kawaminami)

As duas universidades federais de Mato Grosso do Sul estão entre as 59 universidades brasileiras que integram o ranking da revista britânica Times Higher Education World University Rankings 2022, divulgado na última quarta-feira (1).

A lista reúne informações de instituições de 93 países e regiões do mundo. O destaque do Estado ficou por conta da UFGD (Universidade Federal da Grande Dourados), que apareceu pela primeira veza na lista. Já a UFMS (Universidade Federal de Mato Grosso do Sul), assim como em anos anteriores, permanece na lista. Ambas ocupam os últimos lugares no ranking internacional das universidades, de 1201 para mais.

A avaliação feita pela revista considera 13 indicadores que medem o desempenho das instituições em pesquisa, qualidade de ensino, volume de citações em artigos científicos, projeção internacional, entre outros. Para 2021, foram analisados dados que incluem 108 milhões de citações em mais de 14 milhões de publicações científicas em todo o mundo. Também foi feita uma pesquisa com 22 mil representantes acadêmicos.

A Universidade de São Paulo (USP) se manteve como a melhor instituição de ensino superior do Brasil e de toda a América Latina e está entre as 250 melhores do mundo.

Pelo sexto ano consecutivo, a Universidade de Oxford, do Reino Unido, ocupou o primeiro lugar da lista. O Instituto de Tecnologia da Califórnia e a Universidade de Harvard, ambas dos Estados Unidos, ficaram empatados na segunda posição. Fechando o top 5, estão empatadas a Universidade de Stanford e a Universidade de Cambridge, respectivamente, dos EUA e do Reino Unido.

Nos siga no Google Notícias