A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 11 de Dezembro de 2017

22/09/2010 18:53

Bando do Velho Jack comemora 15 anos com show na concha

Redação

A banda O Bando do Velho Jack comemora seus 15 anos de estrada no próximo domingo, a partir das 18h30, na Concha Acústica Helena Meirelles, no Parque das Nações Indígenas, com entrada gratuita. Serão aproximadamente 90 minutos com músicas que marcaram a carreira do Bando.

Fundado em 1995, o Bando atualmente é integrado por Rodrigo Tozzette (guitarra e vocal principal), Marcos Yallouz (baixo), Alex Cavalheri (teclado e vocais), João Bosco (bateria) e Fábio Terra (guitarra). Durante os 15 anos, o grupo já passou por diferentes formações.

Conforme o baixista Marcos Yallouz, o "Marquinhos", no show de domingo o repertório vai reunir um pouco de todos os CDs. "O objetivo foi fazer um apanhado geral das músicas que gravamos independente de serem próprias ou releituras".

Desde a sua formação, O Bando do Velho Jack produziu cinco CDs: Procurado, Old Jack, Como ser feliz ganhando pouco, Ao vivo e acústico no Som do Mato e Bicho do Mato. "Não costumamos pensar muito a frente. No momento, concentramos nossos esforços no show e no próximo CD que já está engatinhando. Temos que matar um leão de cada vez", diz Marquinhos.

Para Fábio, a escolha do repertório do show foi difícil, pois muita coisa ficou de fora. "Sempre tem uma música que um gosta mais do que o outro, mas procuramos deixar isso de lado para escolher aquelas que são mais coerentes com a proposta do show", completa Rodrigo.

Segundo Alex, o grupo também deve apresentar uma música nova, intitulada "15 minutos". "Algumas canções antigas ganharam novos arranjos, nova roupagem. O importante é que tudo está sendo feito para garantir a qualidade do áudio". E além do som de qualidade, o público vai se deparar com cenário e produção especiais.

O baterista Bosco frisa que o show de domingo será dedicado aos fãs, amigos e famílias dos integrantes. "Muitas vezes sacrificamos nossas famílias em prol do nosso trabalho no grupo. Nada mais justo do que dedicar a eles e a todos os que nos apoiaram durante esses 15 anos. Eu, especialmente, quero dedicar o show ao meu irmão Antônio Firmino Ferreira de Melo", pontua.

Legado - "Histórias bacanas, outras tristes, sonhos realizados e destruídos, alegria, frustração, som no último volume, letras sinceras para pessoas sinceras e, acima de tudo, muita teimosia em navegar essa nau que é o rock". Assim Fábio Terra resume os anos na estrada. Para Marquinhos foram 15 anos de muita curtição e também muito estresse. "Não sei o que poderia ter sido diferente. Acho que se voltássemos no tempo, tudo aconteceria do mesmo jeito", comenta entre risos.

Rodrigo é mais enfático e detalha que "muito trabalho, poucas horas de sono, discussões, tudo valeu a pena". Para ele hão existem arrependimentos.

João Bosco não esperava que o Bando chegasse tão longe. "Quando deixei o Made in Brazil e encontrei com o Batata, trocamos ideias para formar um grupo que resgatasse o rock clássico em Campo Grande. Inicialmente era pura diversão", conta. Os anos foram passando e à diversão, foi aliada a profissionalização e a preocupação em melhorar sempre em todos os aspectos. Para Bosco, cada um dos músicos trouxe sua contribuição, e isso inclui o guitarrista Fábio Brum e o tecladista Gilson que participaram da banda nos anos iniciais.

Todos concordam que o Bando passou por todas as fases normais de uma banda, como os dias de apenas covers, os shows em barzinhos, a gravação do primeiro CD, o primeiro hit, a evolução nas composições, mas sempre mantendo a autenticidade, a personalidade do grupo e administrando as diferenças.

Outro ponto que merece destaque, para Bosco, é a aproximação e troca de experiências e idéias com músicos de expressão de Mato Grosso do Sul. "A amizade com Paulinho Simões, Geraldo Rocca, Guilherme Rondon, Almir Sater, Carlinhos Colman, sempre nos ajudou muito". Tanto é verdade que um dos grandes sucessos gravados pelo Velho Jack é a música "Trem do Pantanal", de Rocca e Simões.

Para todos, entre os momentos marcantes, estão a participação no Skol Rock, em 1998, as aberturas de shows de grupos de renome nacional, os shows em eventos de motociclistas em MS e em outros estados brasileiros, a participação na Virada Cultural em São Paulo, em 2008, e que ajudaram na projeção da banda.

Câmara de Vereadores entrega meio milhão de reais em emendas parlamentares
A Câmara Municipal de Costa Rica, a 305 quilômetros de Campo Grande, realiza nesta segunda-feira (dia 11) três sessões, duas delas especiais. Às 14h ...
Município de Itaporã comemora 64 anos de emancipação neste domingo
Conhecido como Cidade do Peixe, Itaporã, distante 227 km de Campo Grande, comemora 64 anos de emancipação neste domingo (10). A prefeitura municipal ...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions