ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
JUNHO, SEXTA  14    CAMPO GRANDE 28º

Esportes

Defesa tenta trocar cela por tornozeleira em investigado por esquema no futebol

Gerente de TI da Federação de Futebol, grampeado pelo Gaeco, está entre presos de operação

Por Anahi Zurutuza | 24/05/2024 19:24
Rudson Bogarim Barbosa chegando à sede da Federação de Futebol com equipe do Gaeco que fez buscas no local (Foto: Marcos Maluf/Arquivo)
Rudson Bogarim Barbosa chegando à sede da Federação de Futebol com equipe do Gaeco que fez buscas no local (Foto: Marcos Maluf/Arquivo)

A defesa de Rudson Bogarim Barbosa, um dos investigados na Operação Cartão Vermelho, quer a substituição da prisão preventiva (por tempo indeterminado) por medidas cautelares, como o monitoramento por tornozeleira eletrônica do cliente. O pedido foi feito pelos advogados Pablo Buarque Gusmão e Renato Cavalcante Franco nesta sexta-feira (24).

Identificado em publicação no site da Federação de Futebol de Mato Grosso do Sul como “gerente de Tecnologia da Informação” da entidade, Rudson está preso desta terça-feira (21), quando o Gaeco (Grupode Atuação Especial e Combate ao Crime Organizado) também levou Francisco Cezário de Oliveira, 77, o homem que acumulou 33 anos no comando da FFMS “invicto”, para a cadeia.

Os advogados de Rudson afirmam que “nem tudo” do que foi divulgado até agora sobre o “esquema” sob investigação pode ser tratado como “verdade irrefutável”. “Nem tudo aquilo que é asseverado pelo órgão acusador, caracteriza verdade irrefutável, tratando-se de opinião unilateral de quem conduz procedimento investigatório e que padece da necessária submissão ao contraditório, um dos pilares norteadores do sistema processual penal”, informaram em nota enviada à imprensa.

Após terem sido contratados e terem conseguido acesso ao Procedimento Investigatório Criminal do Gaeco, que tramita em sigilo, a defesa fez o protocolo do habeas corpus. “Destaca-se que a defesa crê que a prisão preventiva é última medida e mais gravosa, a ser adotada quando outras cautelares se mostrarem insuficientes e, por isso, acredita que restrições como uso de tornozeleira e/ou limitações impostas pelo juízo são melhores que a imposição de encarceramento de quem nunca esteve em estabelecimento prisional”.

Além de ser réu primário, o cliente tem outras “condições favoráveis para responder ao processo em liberdade conforme determina o ordenamento jurídico”, segundos os defensores. “Do acima, tem-se que a revogação é medida cabível e, além disso, a defesa, acompanhando todos os atos do processo principal, crê que medidas cautelares diversas à prisão são capazes de assegurar o regular trâmite processual, sendo, portanto, desnecessária aplicação de prisão cautelar contra o Sr. Rudson”. (Veja a nota completa no fim do texto). 

Dinheiro encontrado na casa de Cezário de Oliveira (Foto: Gaeco/Divulgação)
Dinheiro encontrado na casa de Cezário de Oliveira (Foto: Gaeco/Divulgação)

“Sabem” – É do gerente de TI uma das frases pescadas em interceptação telefônica que mereceu destaque na opinião do juiz Eduardo Eugênio Siravegna Junior, da 2ª Vara Criminal, que mandou prender o presidente da FFMS e outros seis investigados.

A conversa entre Umberto Alves Pereira, 65, sobrinho de Cezário, e Rudson, segundo o Gaeco aponta para esquema “todo mundo” conhecia. Os dois mencionam projeto com custeio de R$ 190 mil e dizem que o presidente não investiu o valor no Campeonato Estadual de Futebol. “Não investiu nada”, afirma Beto e Rudson rebate: “sabem para onde vai o dinheiro”.

O gerente de TI não deixa claro quem são as pessoas que “sabem”, mas para a investigação fica “bem claro” que o presidente da FFMS “desvia verbas” da competição “em benefício próprio”.

“Ainda na mesma conversa, Umberto diz para Rudson que a verba recebida para custear o projeto seria em verdade para Francisco Cezário: ‘Eu falei Cezário, se ele falar Cezário, eu tenho R$ 500 mil no ano. Você pega três projetos, o sub, porque na realidade o dinheiro é pra ele, não é pro campeonato, não é verdade?”.

Em outra data – 21 de abril de 2023 –, Umberto e Rudson também conversam por telefone e “acertam” desviar R$ 10 mil em valores recebidos pela FFMS da CBF (Confederação Brasileira de Futebol). “Dá pra ver segunda e diz que arbitragem faz parte, e que tem que ver o que mais faz parte, gandula, etc, o que mais faz parte (...) então, isso que vou ver, e que se puder ver se encaixa ambulância e diz: ‘Essas 10 mil aí, eles vai ser nosso, entendeu?’”.

Cartão Vermelho – Na terça-feira (21), além de prender Cezário, o Gaeco vasculhou a casa do presidente – imóvel de alto padrão, localizado na Vila Taveirópolis, na Capital – e agentes apreenderam mais de R$ 800 mil em espécie.

A lista de presos tem ainda Aparecido Alves Pereira, Francisco Carlos Pereira, Umberto Alves Pereira, Valdir Alves Pereira – que são irmãos, e sobrinhos de Cezário –, além de Marcelo Mitsuo Elzoe Pereira, filho de “Beto”, e Rudson.

De acordo com o Gaeco, braço do Ministério Público de Mato Grosso do Sul, a ofensiva desbaratou organização criminosa voltada à prática de peculato, estelionatos, falsidades documentais, lavagem de dinheiro e delitos correlatos.

O Gaeco constatou que um grupo desviava valores, provenientes do Estado (via convênio, subvenção ou termo de fomento) ou mesmo da CBF (Confederação Brasileira de Futebol), em benefício próprio e de terceiros. “Uma das formas de desvio era a realização de frequentes saques em espécie de contas bancárias da Federação de Futebol de Mato Grosso do Sul – FFMS, em valores não superiores a R$ 5.000,00 (cinco mil reais), para não alertarem os órgãos de controle, que depois eram divididos entre os integrantes do esquema”, informou a nota do MPMS.

Nessa modalidade, verificou-se que o grupo fez mais de 1.200 saques, que ultrapassaram o total de R$ 3 milhões. A organização criminosa também contava com esquema de desvio de diárias dos hotéis pagos pelo Estado em jogos do Campeonato Estadual de Futebol. O esquema de peculato tinha “cashback”, numa devolução criminosa de valores.

Ao todo, os valores desviados da FFMS, no período de setembro de 2018 até fevereiro de 2023, superaram R$ 6 milhões.

Campo Grande News - Conteúdo de Verdade
Campo Grande News - Conteúdo de Verdade
Campo Grande News - Conteúdo de Verdade


Nos siga no Google Notícias

Veja Também