A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 14 de Dezembro de 2017

21/05/2015 08:56

Gina Lollobrigida achava que ainda era o que havia sido

Paulo Nonato de Souza
A atriz italiana Gina Lollobrigida, famosa nos anos de 1950 (Foto: Arquivo)A atriz italiana Gina Lollobrigida, famosa nos anos de 1950 (Foto: Arquivo)

Em 1985, o São Paulo repatriou o craque Paulo Roberto Falcão, que estava na Roma da Itália. Chegou com o cartaz de o “Rei de Roma” pelo grande sucesso no futebol italiano e, claro, sua contratação era um acontecimento nacional, entre euforia por sua técnica e elegância dentro e fora de campo, e desconfiança por sua idade (32 anos) e uma lesão no joelho.

Em decadência ou não, o fato é que simplesmente triplicou o número de repórteres na cobertura diária do dia a dia do São Paulo. Na época, o clube paulista ainda não tinha seu Centro de Treinamento e o time treinava no Estádio do Morumbi.

Numa manhã de treino de véspera de jogo, estávamos todos no saguão do estádio, a espera da saída dos jogadores, repórteres setoristas como eu, pela Rádio Record, e também os que lá estavam exclusivamente para falar com Falcão, quando surgiu uma mulher de estilo elegante e super maquiada, acompanhada de outras quatro pessoas. Ela entrou pelo portão do estacionamento, caminhando rapidamente em nossa direção, parou bruscamente, observou o ambiente com tantos repórteres e recuou junto com sua trupe. Logo em seguida veio até nós um jovem de óculos escuro e cabelo brilhoso penteado para trás, um típico estereótipo do mafioso italiano. Chegou e decretou de forma bem objetiva: “Pessoal, a senhora Gina Lollobrigida avisa que não dará entrevista e só vai entrar quando todos vocês deixarem o local”.

Ficamos todos atônitos. Afinal, nenhum de nós sabia quem era a tal Gina Lollobrigida. Eu, por exemplo, nunca tinha ouvido falar. Espirituoso, o colega Osvaldo Pascoal, da Rádio Globo, hoje comentarista da Fox Sports, perguntou: “Mas essa Gina é a famosa quem?”. E aí foi a vez do mensageiro perder o rumo. Ficou sem saber onde enfiar a cara. Como ainda não existia o professor Google, por sorte chegou o jornalista esportivo Paulo Planet Buarque, repórter da Rádio Bandeirantes e do jornal A Gazeta Esportiva nas Copas de 1954 e 1958, e esclareceu tudo para ambas as partes.

Para nós, Paulo Planet Buarque fez uma pequena conferência no saguão do Morumbi, na verdade uma aula de cinema italiano. Aí ficamos sabendo que a tal Gina Lollobrigida teve seus momentos de glória como atriz nos anos de 1950. Padrão de beleza, era chamada de "La Lolla" e tinha o título de “A mulher mais bela do mundo”.

Mas isso havia sido realidade 35 anos antes. Muito tempo já havia se passado desde então e ela estava ali no Morumbi com a mesma missão da grande maioria dos repórteres que desejou expulsar: entrevistar o craque Paulo Roberto Falcão. No caso dela, o objetivo era produzir uma matéria especial com o jogador para a televisão estatal da Itália, a RAI Uno. Achando que ainda era o que havia sido, ela pensou que aquele tumulto todo de jornalistas era por conta da sua presença. Nunca vou esquecer da cara de sem graça daquela senhora.

 



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions