A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 20 de Outubro de 2018


  • Jogo Aberto
  • Jogo Aberto

    jogoaberto@campograndenews.com.br


04/07/2015 07:00

Aposentadoria de R$ 6 mil após oito anos de trabalho

Edivaldo Bitencourt

Estrago – A ação popular de Daniel Martins Carvalho poderia ter feito um estrago muito maior. Na ação popular, ele pediu a anulação da aposentadoria de 57 pessoas, que foram ou são deputado estaduais. No entanto, a Justiça só aceitou o pedido parcialmente e cancelou sete aposentadorias “irregulares”.

Famosos – No pedido, a ação cita deputados já falecidos, como Zenóbio dos Santo e Nelson Trad. Ele também citou famosos, como Gandi Jamil e Marilu Guimarães. A sentença não transitou em julgado e cabe recurso ao Tribunal de Justiça, ao STJ e até ao STF.

Regalia – Enquanto um cidadão comum precisa contribuir por 35 anos e ter 65 anos de idade para ganhar R$ 4,6 mil por mês, 28 ex-deputados estaduais recebem R$ 6 mil mensais. E o melhor, para eles, após contribuir por apenas oito anos. Essas aposentadorias não foram anuladas porque são "legais". 

Campanha – Os prefeitos de Mato Grosso do Sul estão preocupados com os reflexos da crise na popularidade. De olho nas eleições de 2016, eles decidiram fazer uma “ampla” campanha de esclarecimento à população. O objetivo é explicar o papel de cada esfera – federal, estadual e municipal.

"Boi de piranha" – O prefeito de Anastácio, Douglas Figueiredo, prefere ser mais direto. Ele acha que um dos principais culpados pela crise é o Congresso Nacional, que aprova os benefícios, mas não aponta a fonte de receita. Como exemplo, citou o piso nacional da educação.

Férias – Em meio a crise financeira da prefeitura da Capital, dois secretários estarão de férias. Responsável pela arrecadação, o secretário municipal de Receita, Ricardo Vieira Dias, ficará de folga por 30 dias neste mês. A pasta ficará sob o comando do adjunto, Antônio Roberto Jurgielewicz Gomes.

Férias 2 – Outro que vai ter uma folga da crise é o secretário municipal de Planejamento, Finanças e Controle, André Scaff. Responsável pelos gastos, ele passa a tesoura para o adjunto, Ivan Jorge, na segunda quinzena deste mês.

Orçamento – Os deputados estaduais devem correr contra o tempo para analisar a Lei de Diretrizes Orçamentárias. O governador Reinaldo Azambuja só enviou na quinta-feira o projeto, que prevê orçamento de R$ 13,9 bilhões em 2016. O legislativo só entra em recesso após aprovar a matéria.

Em dia – O prefeito da Capital, Gilmar Olarte (PP), decidiu afastar, definitivamente, os boatos sobre eventual atraso de salários dos servidores municipais. Ao ser questionado, ele anunciou que o depósito será feito na segunda-feira.

Assessora – Jornalista deu um sermão na secretária municipal de Assistência Social, Janete Belini. Além de invadir a entrevista, ela deu sermão na titular da pasta por estar falando com jornalista sem autorização. E não se incomodou em deixar a integrante do primeiro escalão ainda mais nervosa e aflita com o protesto dos motoristas, que reclamaram do atraso no pagamento da hora extra.

(colaboraram Antonio Marques e Flávia Lima)

Adeus a "Playboy" tem foto de bebida na mesa de bar
Despedida – Tem gosto amargo e dolorido, principalmente para as pessoas próximas, a última foto postada nas redes sociais por Marcel Colombo, conheci...
Campanha, tiro na escola e oportunismo
“Guerra virtual” – Não podia ser diferente. O episódio lamentável em que uma criança de 9 anos entrou armada na sala de aula em Campo Grande e atirou...
Justiça agora pode até cobrar Delcídio
Ainda à espera - A Justiça Eleitoral rejeitou o registro de candidatura de Delcídio Amaral (PTC) ao Senado, depois da derrota nas uras. A juíza Eliza...
Clima de campanha não poupa nem festões
Todo lugar - O clima de campanha, neste segundo turno polarizado, não deixa escapar nem os casamentos. Durante festa no sábado no bufê Murano, na Ave...


Nenhuma aposentadoria pode ser considerado ilegal só por ser alto, mas deve existir uma logica. E esta logica deve ser: em medio nenhum plano de previdência deve gerar prejuizo ao errario. Ou seja: para qualquer cidadão, o valor do possivel aposentadoria, sendo o valor mensal multiplicado com o numero de meses de possivel sobrevivência, deve ser igual ao valor dos premios pagos. Alias, é este a razão do fator previdenciaria, que eu acho corretissimo. Pois: receber mais do que você pagou implica outra pessoa pagar mais do que vai receber. O que é errado.
Não tenho problema com politico receber pensão, mas se eles só pagam 4 ou 8 anos tipo 10 % dos seus vencimentos, é impossivel que isso gera direito a uma aposentadoria de mais do que uns R$ 500 por mes, dependendo da idade. Só isso.
 
Marc em 04/07/2015 23:15:42
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions