ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
MARÇO, SEGUNDA  04    CAMPO GRANDE 27º

Jogo Aberto

Clima na Assembleia termina pior que começou

Leonardo Rocha e Alberto Dias | 22/12/2016 06:00

Pauleira - O último dia de votação na Assembleia Legislativa não foi tão tranquilo, como no restante do ano. Os servidores e representantes de sindicatos já deram uma prova de que o ano que vem vai ser de conflito.

Bate boca - Os servidores foram reclamar de um projeto que autoriza a renegociação da dívida do Estado, com a União. O protesto antecipa a discussão das reformas que irão ocorrer em 2017. Os deputados João Grandão (PT) e Renato Câmara (PMDB) trocaram farpas sobre o assunto. Em lados opostos, o peemedebista não permitiu que o petista comentasse durante seu discurso.

Pulso firme - O deputado Onevan de Matos (PSDB) reclamou que as vaias e gritos dos protestantes estavam atrapalhando os oradores. Ele pediu respeito e ainda solicitou um "pulso mais firme" do presidente da Assembleia. Mochi, em vários momentos, interrompeu a votação dos projetos, pedindo que os servidores permitissem a fala e voto dos colegas, até ameaçou suspender a sessão, mas prosseguiu até o final.

Rapidinho – A suspensão do aumento de salários para o prefeito, vice, secretários e procurador deve gerar “economia” de R$ 32 milhões por ano aos cofres do Município, segundo estimam os vereadores, que aprovaram congelamento de seus salários em R$ 15 mil durante sessão extra que durou menos de meia hora.

Congelado não - E os vereadores gostam de dizer que diminuíram e não congelaram os salários, já que poderiam ganhar R$ 19 mil a partir de 2017, por conta de lei aprovada há 2 anos, o que representa R$ 4 mil a mais que agora.

Presente – O prefeito eleito, Marquinhos Trad (PSD), não assumiu ainda, mas já esteve cinco vezes na Câmara Municipal para despachar com os parlamentares. Para o presidente da Casa, João Rocha (PSDB) isso mostra que a relação do Executivo e Legislativo está mudando.

Amigos? – A Câmara formou, inclusive, uma equipe para acompanhar e ajudar na transição de Trad. “Harmonia e entendimento você faz com atitude, não com palavras. E as ações mostram que mudou o relacionamento, o que nunca deveria ter sido diferente”, ponderou Rocha.

Irritados – O tucano garantiu que haverá concurso público nos próximos meses, mas não gostou de ser questionado sobre o excesso de comissionados apontados pelo MPE. “Não tem excesso, quem diz o que precisa somos nós. Essa história de intervenção de poderes me irrita”, reclamou.

Reclamação - A Prefeitura de Campo Grande contesta nota publicada ontem no Jogo Aberto, sobre a obrigatoriedade de recursos provenientes de depósitos judiciais serem usados apenas para pagar precatórios e não salários ou dívidas do Executivo.

Para dívidas - A assessoria de Alcides Bernal afirma que os precatórios já foram pagos. Por isso, os “depósitos judiciais têm de ser devolvidos aos cofres municipais e podem ser utilizados para pagar salários, contas”.

Nos siga no Google Notícias