A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 24 de Outubro de 2017


  • Jogo Aberto
  • Jogo Aberto

    jogoaberto@campograndenews.com.br


19/07/2014 07:00

Com administração em crise, prefeito recorre mais a Deus

Edivaldo Bitencourt

Messiânico – Pastor da Igreja Assembleia de Deus Nova Aliança, o prefeito da Capital, Gilmar Olarte (PP), tem recorrido ainda mais a Deus nos discursos. Ontem, na Câmara Municipal, ele afirmou e reafirmou que com ajuda divina vai vencer as dificuldades de administração do município.

Chapéu – O prefeito da Capital festejou o fato de Campo Grande ser a primeira cidade a elevar o valor pago aos agentes comunitários de saúde e de combate a endemias. Em nenhum momento da solenidade, ele citou que o valor será pago pelo Governo federal. O impacto nos cofres municipais será mínimo.

Nova postura – O presidente do Sindicato dos Servidores Municipais, Marcos Tabosa, mudou de postura em relação ao chefe do Executivo. De ferrenho opositor a Alcides Bernal, ele passou a ser um grande defensor de Gilmar Olarte. Ontem, na Câmara Municipal, o sindicalista não economizou adjetivos para elogiar o chefe do Executivo.

No pasto – Olarte recorreu ao pai, que também era pastor, para defender o atual estilo, devagar, quase parando. Ele explicou que ensinamento paterno indica que deve acompanhar o passo do gado. “Senão quebra a pata do boi se for com pressa”, justificou-se.

Gestos – O prefeito Gilmar Olarte começa a imitar o antecessor, Alcides Bernal. Ele recorre a Deus nos discursos, critica a imprensa, confere o crachá dos jornalistas e até recorre à Guarda Municipal para não conceder entrevistas.

DNA – O novo escândalo no tratamento do câncer em Mato Grosso do Sul envolve, de novo, o médico Adalberto Siufi, ex-presidente do Hospital do Câncer. Desta vez, três pacientes morreram e a clínica, que tem Siufi entre os sócios, não avisou o hospital sobre o problema registrado em um lote de medicamento.

Irritado – O presidente da Santa Casa, Wilson Teslenco, não escondeu a irritação por ter ficado sabendo do problema pela imprensa. As mortes ocorreram em uma clínica terceirizada. A prestação de serviço já foi apontada pelo Ministério da Saúde como o principal problema do hospital.

Viagem – Para evitar problemas com aliados e entre os peemedebistas, o governador André Puccinelli (PMDB) deve reduzir o tempo da viagem aos Estados Unidos. Inicialmente, ele ficaria 15 dias, mas deve ficar só uma semana.

Chiadeira – O deputado estadual Carlos Marun (PMDB) explicou que os peemedebistas ficariam revoltados se o deputado estadual Jerson Domingos (PMDB) assumisse o comando do Estado por 60 dias. O parlamentar é cabo eleitoral declarado de Delcídio do Amaral (PT).

Consolação – A ex-vereadora Tereza Name (PSD) não deverá ficar a ver navios se Delcídio for eleito governador. Ela, que desfalcou a chapa de Reinaldo Azambuja e desistiu de ser candidata a deputada estadual, pode assumir cargo no primeiro escalão de eventual administração petista.

(colaboraram Leonardo Rocha e Zana Zaidan)

Vinda de Temer a MS atraiu poucos políticos
Recepção solitária – Programada em meio ao clima de tensão política sem fim em Brasília, a agenda do presidente Michel Temer em Mato Grosso do Sul no...
Crise da JBS rouba atenção de Temer
Foco na JBS - No Governo do Estado, a vinda do presidente Temer a Mato Grosso não teve a mobilização típica de visitas anteriores de presidentes. Na ...
Temer oscilou sobre decisão de vir para agenda em MS
Às pressas – A vinda do presidente Michel Temer para Mato Grosso do Sul neste sábado foi confirmada em cima da hora. A coluna apurou que tudo indicav...
Detran de MS avalia adesão a parcelar multa no cartão
Ainda não sabemos – O Detran de Mato Grosso do Sul avalia se vai fazer convênios que permitam parcelamento de multas no cartão de crédito. A autoriza...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions