ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
FEVEREIRO, TERÇA  20    CAMPO GRANDE 29º

Jogo Aberto

Comissão Processante vai ouvir Bernal no seu dia favorito

Edivaldo Bitencourt | 10/12/2013 06:00

Coração feminino - A vice-governadora Simone Tebet (PMDB) fez um discurso empolgante sobre o papel da mulher na sociedade de hoje, apesar de ainda existir preconceito e dúvidas sobre a capacidade feminina por parte dos homens. Ela ponderou, no entanto, nas críticas masculinas e elogiou os prefeitos de Campo Grande, Ponta Porã e Corumbá. "Eles não contam, porque possuem coração feminino", minimizou.

Mas elogios - Simone também aproveitou para dizer que quem lhe ensinou que "mulher não se bate nem com uma flor" foi seu pai, o ex-senador Ramez Tebet. Também não esqueceu do governador André Puccinelli (PMDB) e lembrou que ele sempre defendeu a classe feminina, tanto que suas principais secretárias são mulheres.

Que vergonha - O deputado federal Geraldo Resende (PMDB) destacou que ficou com vergonha de ver os números de Mato Grosso do Sul sobre assassinatos de mulheres, já que o Estado é o quinto com maior média de mortes de gênero. "Esta violência é uma chaga, uma desgraça, temos que nos envergonhar com este número não muito invejável".

Cota pra homem - Já o prefeito de Corumbá, Paulo Duarte (PT), fez questão de dizer que as mulheres estão tomando conta dos cargos públicos e dos grandes empregos na sociedade. Ele ainda destacou que ajuda nestes números, já que 65% de seu primeiro escalão são de mulheres. O petista até sugeriu uma nova cota social. "Daqui uns dias teremos que ter cota para homens, já que elas estão tomando conta de tudo", elogiou o prefeito.

Não faz falta - A secretária municipal de Assistência Social, Thais Helena, declarou que nomear uma chefe para a secretaria da mulher não é fundamental na prefeitura, já que sua pasta realiza todas as ações necessárias para contemplar esta classe e que as mulheres estão bem assistidas na gestão do Bernal.

Delcídio – Pré-candidato a governador do Estado em 2014, o senador Delcídio do Amaral (PT) começou a cuidar da saúde. Ele vem realizando caminhadas e até já perdeu alguns quilos com a nova rotina.

Vazio – Apesar de ter como certo o apoio do PROS, o senador petista ainda não contabiliza apoios importantes para as eleições de 2014. Mesmo “colocando um ônibus” para recolher aliados, Delcídio não conseguiu fechar alianças para a sucessão estadual. Ontem, ele minimizou a falta de aliados. “A eleição está muito longe”, frisou.

Otimista – Já o ex-secretário estadual de Articulação com os Municípios e ex-prefeito da Capital, Nelson Trad Filho, vem gabando-se que, apesar de “não ter um ônibus”, já tem a sinalização de que terá o apoio de uma penca de partidos. Ou seja, o “carro” promete estar lotado na disputa da sucessão de André Puccinelli.

Reviravolta – Demorou, mas o presidente da Comissão Processante, Edil Albuquerque (PMDB) conseguiu o “grande dia” ontem. Só foi a Justiça autorizar a continuidade do processo de investigação, ele já mandou notificar o prefeito e deu 48 horas para Bernal se preparar para o depoimento na comissão.

É 11 – Amanhã, dia do depoimento de Alcides Bernal (PP) na Comissão Processante, é a data favorita do progressista. Ele pode ser ouvido na Câmara Municipal sobre as irregularidades cometidas na prefeitura no dia 11 de dezembro. O 11 é a data utilizada por Bernal para tudo, anunciar obra e até numerar pacote.

(colaboraram Lidiane Kober e Leonardo Rocha)

Nos siga no Google Notícias