A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 23 de Maio de 2018


  • Jogo Aberto
  • Jogo Aberto

    jogoaberto@campograndenews.com.br


06/04/2011 06:00

Pela culatra

Jogo Aberto

O deputado mais velho da Assembleia, Londres Machado (PR), comenta que a escolha do conselheiro está como eleição de Papa. O presidente da Assembleia completou dizendo que estão começando a acender as fogueira para sair fumaça branca anunciando a escolha do substituto de Celina.

Jerson garantiu que não irá para o TCE nesta indicação, porque está muito novinho e vai esperar amadurecer um pouco mais para em 2014 disputar a vaga dos conselheiros Cícero de Souza e Paulo Roberto Capeberibe Saldanha, que se aposentam.

Ao comentar a lei da Pesca, o presidente do Legislativo estadual se gabou dizendo que não teria outro deputado mais apropriado para falar sobre o assunto. "Na pescaria e como jogador de futebol não há nenhum deputado igual" revelou. Ainda brincou que os dois deputados mais engajados na proibição, deputados Paulo Correa (PR) e Paulo Duarte (PT), só sabem comer peixe.

Jerson citou situação vivida pelo deputado federal Reinaldo Azambuja em uma pescaria no Chaco Argetino, em que a pesca de espécies como o Dourado fora de época ou medida provoca prisão de até cinco anos. O piloteiro do deputado tucano ficou mais de uma hora tentando tirar um anzol que "Douradão" teria engolido para devolvê-lo ao rio e não entrar em cana, relatou Domingos.

Com a crise da saúde, deputados estaduais petistas criticaram o investimento de cerca de R$ 80 milhões no Aquário a ser construído no Parque dos Poderes. Na opinião deles o dinheiro deveria revertido para outras prioridades como a Santa Casa.

O deputado tucano e ex-secretário estadual de Meio Ambiente, Marcio Monteiro, rebateu a crítica e afirmou que o recurso aplicado no Aquário é fruto do fundo de compensação ambiental, pago por empresas que causam danos ambientais durante obras no Estado e que o projeto não é fútil, porque abrigará laboratórios de pesquisas sobre a pesca. Monteiro afirmou que seria um crime desviar o destino destes recursos.

A Assembleia Legislativa está cheia de familiares de desembargadores e juízes lotados em cargos comissionados. Destas vez foi o filho do desembargador João Carlos Brandes Garcia, Gabriel Murano Garcia, que foi nomeado para o cargo de assessor jurídico, conforme publicado no Diário Oficial do Estado do último dia 28.

Intencionalmente ou não, o nome do jovem advogado foi grafado de forma invertida, de modo que dificulta a consulta na área de pesquisa do Diário Oficial. O nome está escrito com os sobrenomes trocados: Gabriel Garcia Murano.

Membro cativo da bancada ruralista na Assembleia, o deputado estadual Zé Teixeira (DEM) ocupou a tribuna ontem para defender que o Incra seja administrado como na iniciativa privada. O comentário foi em apoio à propostas do novo presidente do órgão, Celso Lisboa de Lacerda.

Alardeando caçada aos infiéis no PPS, o presidente do diretório estadual, vereador Athayde Nery, pode dar tiro no pé. Opositores dentro do partido enviaram e-mails com imagens dele em santinhos de campanha em 2010 ao lado de Geraldo Rezende, do PMDB e o deputado federal Luiz Henrique Mandetta, do DEM.

DEM e a disputa entre André e Reinaldo
Já escolhi - Sobre a declaração de Puccinelli que estaria "namorando" o DEM, o deputado Zé Teixeira fez brincadeira para dizer de qual lado da disput...
Maioria prefere Lava Jato à Copa do Mundo
Copa? – Pesquisa do Instituto Paraná mostra que, a menos de um mês do Mundial da Rússia, o brasileiro não está muito motivado com o assunto. A consul...
Ex-ministro não errou o “do Sul”, mas...
Gafe - O ex-ministro Henrique Meireles (MDB) em um dos diversos discursos no evento em Campo Grande neste sábado (19) confundiu Mato Grosso do Sul co...
PMs presos têm “festival de ações”
Conhecidos da justiça - Entre as duas dezenas de policiais militares de Mato Grosso do Sul presos esta semana por suspeita de facilitar a vida dos co...


A considerar essa informação repassada pela coluna....."fruto do fundo de compensação ambiental, pago por empresas que causam danos ambientais durante obras no Estado e que o projeto não é fútil, porque abrigará laboratórios de pesquisas sobre a pesca. Monteiro afirmou que seria um crime desviar o destino destes recursos." .... Faço o seguinte questionamento: Qual o tipo de danos ambientais que foram provocados em nosso estado. Quais empresas que promoveram tais danos. Este impacto foi provocado aqui em Campo Grande onde a obra do aquário será erguida. Não tenho nada contra a construção desse aquário, acho até legal, só não tinha conhecimento da fonte dos recurso a ser aplicado, por este motivo fomento o debate através desse comentário, por entender que a utilização desse recurso para a construção TAMBÉM pode ser visto como crime, principalmente se não foram tomadas medidadas para amenizar o impacto provocvado por "essas obras" e "essas empresas" nos locais de origem. EXEMPLO: Em Bataguassu tem o Frigorífico Marfrig, o mesmo construiu um MATADOURO, e tanto o valor de Compensação Ambiental da Obra e do Impacto assim que venha a causar, que eu tenha conhecimento, não foi feito nada. Outro quwestionamento que faço a coluna... pelo que eu tenho conhecimento o destino desta verba de Compensação Ambiental também pode ser destinado a aquisição de reservas e parques ecológicos, preservação... Diante da quantidade de Obras e Empresas que promovem impacto ambiental em nosso estado,, quais os valores e onde e de que forma esses recursos estão sendo aplicados.
 
Rui Spínola Barbosa em 06/04/2011 05:49:45
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions