ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
FEVEREIRO, QUINTA  22    CAMPO GRANDE 23º

Jogo Aberto

Fábrica de Fertilizantes só em 2028?

Por Danielly Escher, Anahi Zurutuza e Maristela Brunetto | 04/12/2023 06:00
Fábrica de fertilizantes com obras paralisadas em Três Lagoas (Foto: Divulgação)
Fábrica de fertilizantes com obras paralisadas em Três Lagoas (Foto: Divulgação)

Só em 2028? - O presidente da Petrobras Jean Paul Prates, disse à imprensa que a UFN3 (Unidade de Fertilizantes Nitrogenados) em Três Lagoas só deve começar a funcionar daqui cinco anos com "a possibilidade de ter o prazo antecipado". A informação foi divulgada pelo Jornal O Estado de São Paulo neste fim de semana.

Retomada - A fala de Prates tem a ver com o recente anúncio da Petrobras sobre o investimento de 102 bilhões de dólares como parte do plano estratégico entre 2024 a 2028. A iniciativa que abrange diversos setores, incluindo a conclusão da UFN3. A Estatal tem outras três unidades de fertilizantes. A do Paraná segue "hibernada", com produção local interrompida. As fábricas da Bahia e do Sergipe foram arrendadas. A intenção é retomar todas, conforme disse Jean Paul Prates.

Unidade de Fertilizantes (Foto: Paulo Francis)
Unidade de Fertilizantes (Foto: Paulo Francis)

Importância - O empreendimento avaliado em cerca de R$ 3 bilhões começou a ser construído em 2011, três anos depois a obra foi paralisada com cerca de 80% do projeto executado. A unidade foi projetada para produzir 15% dos nitrogenados necessários ao Brasil (3,6 mil toneladas de ureia e 2,2 mil toneladas de amônia por dia).

Mais otimista - Logo após o anúncio dos planos da Petrobras, o secretário estadual de Meio Ambiente, Desenvolvimento, Ciência, Tecnologia e Inovação, Jaime Verruck, comemorou. "A ideia é que tenha seis meses para fazer a reestruturação de projetos e um ano e meio para execução. Então, a UFN3 será inaugurada ainda dentro da gestão do presidente Lula. A ideia é realizar a inauguração daqui a dois anos".

Faria de novo - Na sexta-feira (1) o Campo Grande News publicou uma entrevista exclusiva com Simone Tebet, ministra do Planejamento, onde ela fala sobre a difícil decisão de declarar apoio a Luiz Inácio Lula da Siva (PT) no segundo turno das eleições à presidência. Escolha que teve um preço, já que a maioria dos moradores do Estado da ministra seguiu com Jair Bolsonaro (PL) nas últimas eleições. "Se tivesse que tomar a decisão novamente, a faria de olhos fechados", disse.

Sem volta - Neste fim de semana o Jornal Folha de São Paulo trouxe detalhes dos momentos que antecederam a decisão de Simone Tebet. Trecho da publicação diz: "Ela relatou que o apoio teria um alto custo político para ela em seu estado, Mato Grosso do Sul, onde predominava a simpatia por Bolsonaro, e que se aliar ao PT seria como olhar para o abismo". Em seguida Lula teria tranquilizado a então senadora e ex-candidata à presidência dizendo que ela não retornaria para seu domicílio eleitoral porque tinha se tornado um nome nacional e a partir dali o que ditaria seu destino seria a política, não só sua vontade.

Prefeita Adriane Lopes (Foto: Alex Machado)
Prefeita Adriane Lopes (Foto: Alex Machado)

Papai Noel furou? - Durante agenda da prefeita Adriane Lopes (PP), esta semana em Campo Grande na abertura do "Natal nos Bairros", comentava-se nos bastidores que o contratado para se passar pelo "bom velhinho" não tinha aparecido. O fato é que alguém do "staff" da prefeita deve ter agido bem rápido para arrumar um novo Papai Noel. No fim das contas os dois aparecerem no evento juntos e sorridentes.

Arquivada - O juiz Ariovaldo Nantes Corrêa, da 1ª Vara de Direitos Difusos, Coletivos e Individuais Homogêneos arquivou mais uma ação de danos morais movida pela Associação Nacional Pró Armas, contra um veículo de comunicação. Desta vez, a ação foi contra o jornal gaúcho Correio do Povo, por matéria na qual falava sobre os custos para a saúde pública com pessoas feridas a tiros.

Faltou autorização - O pedido foi de indenização de R$ 10 mil para cada CAC (Caçador, Atirador, Colecionador), sob o argumento de que a matéria veiculou preconceito. A exemplo de outra ação arquivada recentemente, o magistrado apontou que a associação, presidida pelo deputado federal sul-mato-grossense Marcos Pollon, não apresentou a autorização de cada associado para ser representado pela Pró Armas, o que é indispensável nas ações coletivas.

Em grande estilo - Após mais de 20 anos sem ser o anfitrião de um encontro do Comsefaz, o Governo Estadual quer que os participantes sejam bem acolhidos. Depois dos debates sobre impostos, o grupo terá uma noite musical. A coluna já tinha antecipado a escolha de Gabriel Sater, mas haverá mais artistas regionais, incluindo Marcelo Loureiro. O encontro será realizado no Hotel Zagaia. No dia seguinte, os debates serão conduzidos pelo Confaz (Conselho Nacional de Política Fazendária), com técnicos do Ministério da Fazenda.

Nos siga no Google Notícias