A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 18 de Outubro de 2018


  • Jogo Aberto
  • Jogo Aberto

    jogoaberto@campograndenews.com.br


24/07/2014 06:00

Índios que bloqueiam rodovia tem "dia de autoridade"

Edivaldo Bitencourt

Orla – A Prefeitura admite que a Orla Ferroviária, revitalizada em 2012, fracassou. Dos 11 quiosques implantados no local, apenas dois continuam funcionando. O restante fechou e o espaço se transformou em morada de marginais e usuários de drogas.

Corredor – A Prefeitura da Capital quer transformar a Orla Ferroviária em corredor cultural. O projeto até faz homenagem a Waldir dos Santos Pereira. Uma das propostas é implementar uma feira permanente de artesanato entre a Avenida Afonso Pena e a Rua Antônio Maria Coelho.

Esquecido – A Orla Ferroviária, inaugurada no final da gestão de Nelson Trad Filho, foi esquecida pelo ex-prefeito Alcides Bernal (PP). Ele tinha como política sepultar os projetos do peemedebista. Também deixou na gaveta projetos de pavimentação, postos de saúde e centros de educação infantil.

Agenda – Os candidatos a governador se superam na criatividade para divulgar as agendas. Há caso em que a assessoria liga para as redações apenas para dizer que o candidato não fará nada. Em outros, a assessoria informa que a “agenda é profissional”. Profissional de que? Não explica.

Efeito eleição – Os índios de Dourados conseguiram um feito inédito ontem. Eles foram recebidos na Governadoria pelo governador André Puccinelli (PMDB) para discutir o bloqueio da rodovia entre Dourados e Itaporã.

Mimos – Puccinelli foi cortês e educado com os indígenas. Não só ouviu as queixas, de que acidentes estão ocorrendo com muita freqüência, como até os presenteou com kits de livros e artigos culturais do Estado. Geralmente, esses “mimos” são dados a empresários e autoridades que visitam o governador.

Fogo – A campanha eleitoral só começa a entrar nos trilhos agora. Candidatos estão concluindo a contratação de assessores. No entanto, todos são unânimes em afirmar que a disputa só vai pegar fogo mesmo, quando começar o horário eleitoral.

Novela – O candidato a governador do PSDB, deputado federal Reinaldo Azambuja, fez uma constatação. A campanha eleitoral só vai começar quando mudar o horário da novela das nove da Globo. Quando o dramalhão global começa meia hora mais tarde, todo mundo sabe que a eleição começou para valer.

Pé na estrada – Os 18 deputados estaduais e seis deputados federais, que disputam mandatos neste ano, estão, literalmente, com o pé na estrada. Eles vão aproveitar o recesso parlamentar, que vai até o início de agosto, para intensificar o contato direto com o eleitor.

Regras – O Tribunal Regional Eleitoral definiu as regras da propaganda política em Mato Grosso do Sul. Segundo o órgão, não basta a resolução nacional do Tribunal Superior Eleitoral. A complementação é necessária para adaptar-se as regras às peculiaridades de MS.

(colaborou Ludyney Moura)

Campanha, tiro na escola e oportunismo
“Guerra virtual” – Não podia ser diferente. O episódio lamentável em que uma criança de 9 anos entrou armada na sala de aula em Campo Grande e atirou...
Justiça agora pode até cobrar Delcídio
Ainda à espera - A Justiça Eleitoral rejeitou o registro de candidatura de Delcídio Amaral (PTC) ao Senado, depois da derrota nas uras. A juíza Eliza...
Clima de campanha não poupa nem festões
Todo lugar - O clima de campanha, neste segundo turno polarizado, não deixa escapar nem os casamentos. Durante festa no sábado no bufê Murano, na Ave...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions