ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
JUNHO, TERÇA  18    CAMPO GRANDE 26º

Jogo Aberto

Livro sobre pandemia traz políticos de MS logo no início

Adriel Mattos e Gabriela Couto | 04/06/2022 07:00
Livro sobre combate à covid no Brasil chegou às livrarias nesta semana. (Foto: Divulgação)
Livro sobre combate à covid no Brasil chegou às livrarias nesta semana. (Foto: Divulgação)

Revelações – Chegou às livrarias nesta semana mais um livro que revela bastidores da conduta polêmica do governo de Jair Bolsonaro (PL) na pandemia de covid-19. “Sem Máscara – O Governo Bolsonaro e a Aposta pelo Caos” é escrito pelo jornalista Guilherme Amado, colunista do site Metrópoles. Logo nos primeiros capítulos, dois sul-mato-grossenses aparecem como personagens: o ex-ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta (União) e o senador Nelsinho Trad (PSD).

Vírus – Os embates entre o então ministro Mandetta e o presidente são narrados, como quando o médico e Bolsonaro passaram a se contradizer sobre quais eram os cuidados necessários para evitar a covid. Em uma reunião ministerial, Mandetta usou um tom duro com o chefe e surpreendeu colegas. Nas últimas semanas no cargo, ciente de que o presidente queria demiti-lo, o então ministro decidiu, após conversa com o governador de Goiás, Ronaldo Caiado (União), conceder a fatídica entrevista ao programa Fantástico, da TV Globo. Quatro dias depois, ele foi formalmente dispensado do cargo.

Primeiros casos – Em outra passagem, Guilherme Amado revela como a viagem presidencial aos Estados Unidos, em março de 2020, culminou com vários membros da comitiva contaminados pelo novo coronavírus, como o senador Nelsinho Trad. O primeiro integrante a apresentar sintomas foi o então secretário especial de Comunicação da Presidência, Fabio Wajngarten. Ele atribuiu o que sentia ao cansaço da viagem, mas no retorno, piorou, levando ao diagnóstico positivo. Em seguida, avisou Nelsinho, que também testou positivo.

Errou - O deputado federal Daniel Silveira (PL-RJ) errou o nome do Estado e levou um "do Sul" da plateia de militantes bolsonaristas que acompanhavam o discurso dele, nesta sexta-feira (3), em evento na Câmara de Campo Grande. "Eu esqueço que aqui é igual baile funk. Tem o lado A e o lado B", justificou.

Alvorada - Dividindo o quarto de hotel na Capital, Zambelli se esqueceu de alterar o horário de Brasília para o de Mato Grosso do Sul e acordou uma hora antes a deputada federal Fabiana Silva de Souza, a Major Fabiana (PL-SP). "Uma paisana me dando alvorada", reclamou a militar.

Avisado - Em discussão com os apoiadores do presidente Jair Bolsonaro (PL), o deputado federal Loester Trutis (PL) afirmou que recebeu na casa dele, na noite de quinta-feira (2), a deputada federal Tereza Cristina (PP) e o deputado estadual Renan Contar (PRTB) para falar da pré-campanha. “Se o grupo do Contar bater na Tereza, não vai ter apoio do presidente”, avisou.

Escanteado - Tentando entregar o título de visitante ilustre à “tropa de choque bolsonarista”, o vereador Tiago Vargas (PSD) ficou assistindo todo o evento da plateia. Com o bate-boca entre apoiadores e políticos, a palestra de Zambelli foi encerrada às pressas para apaziguar a situação. A homenagem aconteceu depois, no meio da muvuca com militantes.

Não é bem assim – A direção estadual do Pros (Partido Republicano da Ordem Social) procurou a coluna para esclarecer que ainda não fechou apoio à pré-candidata do União Brasil ao Governo de Mato Grosso do Sul, Rose Modesto. A cúpula informou em nota que está conversando com os demais postulantes. Apesar da negativa, Rose foi lançada à disputa pela Governadoria com membros do Pros no palco do Rádio Clube Campo, em março deste ano.

Antes tarde... – O MPMS (Ministério Público do Estado de Mato Grosso do Sul) divulgou resolução para se adaptar à nova Lei de Improbidade Administrativa. Entre as mudanças, está o prazo para inquéritos civis, que deverão ser concluídos em no máximo dois anos. A nova lei entrou em vigor em outubro do ano passado.

Noveleiro – O deputado estadual Paulo Duarte (PSB) se revelou fã da novela Pantanal ao se lembrar de conversa que teve dia desses sobre ter sido criado no Pantanal. Ele começou a comparar as características dele e dos colegas com personagens do remake. Afirmou que o presidente da Assembleia Legislativa, Paulo Corrêa, seria um francês pantaneiro, um “frantaneiro”. “O estilo de lorde, não combina com a rusticidade do pantaneiro”, explicou. Em seguida, exemplificou que apesar disso, ele e o presidente não são representados pelo personagem Jove, que é “menino de cidade grande”. “Estamos muito mais para Tadeu e Alcides. Jove acho que tá mais para o Kemp.”

Nos siga no Google Notícias