A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 21 de Outubro de 2018


  • Jogo Aberto
  • Jogo Aberto

    jogoaberto@campograndenews.com.br


05/10/2016 06:00

Marcas das urnas são visíveis na Câmara pós-eleição

Waldemar Gonçalves

Choque de gestão – Na primeira sessão na Câmara Municipal de Campo Grande pós-eleições, o clima foi de agitação. Desde o início da campanha não se via tanto movimento. Entrevistas com a imprensa, indicações ao microfone, discursos, conversas entre vereadores, tudo acontecia simultaneamente. O resultado das urnas deixou sua marca.

Insatisfeito – O vereador Roberto Durães (PSC) foi um dos mais inflamados ao discursar sobre o resultado das urnas. Sua insatisfação em não conseguir se reeleger era clara.

Pegou pesado – “Só comprando voto que se ganha eleição”, chegou a dizer Durães. Ao ser questionado se realmente tinha dito isso no plenário, Durães fez questão de repetir e ainda acrescentou: “sei quem comprou voto meu”.

Cabresto – Apesar de não se considerar chateado e dizer que sairá de cabeça erguida, Vanderlei Cabeludo (PMDB) deixou escapar um pouco da sua frustração. “Quem se reelegeu foi pelo cabresto”, afirmou.

Reeleito – Um dos 11 a conseguir manter seu assento na casa de leis foi Carlos Augusto Borges, o Carlão (PSB). Estava satisfeito com a reeleição, mas ciente de que não fácil, pois, como ele mesmo disse, teve metade da votação em relação ao pleito de 2012. Ao ser questionado se recebeu algum voto de cabresto, ele disse que andou “igual um louco” pelos bairros para conseguir seus votos.

“Natural” – Sem lamentar o resultado do PMDB, que, nestas eleições, elegeu só dois vereadores, o presidente municipal do partido, Ulisses Rocha, considerou natural o desempenho nas urnas.

Ele explica – É que o PMDB não detém, como em outros anos, nem o governo, nem a Prefeitura. Justamente por isso, acrescentou, o PSDB se saiu também e conseguiu eleger uma bancada de sete vereadores.

Ora no poder, ora não – Para o dirigente peemedebista, o resultado faz parte de um processo natural da política, a alternância de determinado grupo no poder.

Campanha nas ruas – Aos poucos, a campanha começa a ganhar as ruas neste segundo turno, em Campo Grande. A candidata a vice de Marquinhos Trad (PSD), Adriane Lopes (PEN), afirmou que as caminhadas e visitas aos bairros continuam agora e que a equipe está confiante.

E o Bernal? – Os candidatos começam a articular para buscar apoio no segundo turno, mas o foco principal continua sendo o atual prefeito, Alcides Bernal (PP). Por enquanto, ele faz mistério sobre a decisão.

(com Mayara Bueno, Richelieu de Carlo e Leonardo Rocha)

Adeus a "Playboy" tem foto de bebida na mesa de bar
Despedida – Tem gosto amargo e dolorido, principalmente para as pessoas próximas, a última foto postada nas redes sociais por Marcel Colombo, conheci...
Campanha, tiro na escola e oportunismo
“Guerra virtual” – Não podia ser diferente. O episódio lamentável em que uma criança de 9 anos entrou armada na sala de aula em Campo Grande e atirou...
Justiça agora pode até cobrar Delcídio
Ainda à espera - A Justiça Eleitoral rejeitou o registro de candidatura de Delcídio Amaral (PTC) ao Senado, depois da derrota nas uras. A juíza Eliza...
Clima de campanha não poupa nem festões
Todo lugar - O clima de campanha, neste segundo turno polarizado, não deixa escapar nem os casamentos. Durante festa no sábado no bufê Murano, na Ave...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions