A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 12 de Dezembro de 2017


  • Jogo Aberto
  • Jogo Aberto

    jogoaberto@campograndenews.com.br


06/05/2015 06:00

Olarte e os problemas: base menor, CPI, greve e crise

Edivaldo Bitencourt

Guerra – O prefeito de Campo Grande, Gilmar Olarte (PP), vai usar todas as armas disponíveis para impedir a greve dos médicos, que começa hoje. Sem dinheiro em caixa para dar reajuste e retomar o pagamento das gratificações, ele aposta na Justiça para que a paralisação não prejudique a população.

CPI – Numa semana tensa, com vários problemas, Olarte ganhou mais um com a criação da CPI das Contas Públicas. O risco é o mesmo de todas as investigações, sabe-se como vai começar, mas não o fim.

Base menor – A criação da CPI revelou que a base de Olarte ficou menor na Câmara Municipal. Chocolate (PP) e Eduardo Romero (PTdoB) anunciaram que vão adotar postura de independência no legislativo municipal.

Maioria - A debandada ainda não enfraqueceu o prefeito na Câmara Municipal. Oficialmente, Gilmar Olarte continua contando com o apoio de quase 20 vereadores. A oposição ainda segue restrita a seis parlamentares.

Crise – Os deputados estaduais não perdoaram a crise nas finanças do município e foram à tribuna para criticar Gilmar Olarte. Ele foi criticado pelos deputados estaduais Pedro Kemp, Amarildo Cruz, do PT, Marquinhos Trad e Antonieta Amorin, do PMDB, e Beto Pereira (PDT).

Menos – Líder do Governo na Assembleia, Professor Rinaldo Modesto (PSDB), atribuiu a crise na administração municipal à herança dos antecessores. Ele isentou Olarte de responsabilidade nos problemas, como o déficit nas contas públicas e o gasto excessivo com pessoal.

Mudança – O PSL definiu o nome do novo dirigente regional. Com a saída do ex-vereador Alceu Bueno, que renunciou ao mandato após ser indiciado por exploração sexual, a sigla vai ser comandada pela jornalista e decoradora, Anny Cristina Nascimento.

Posse – O advogado Yves Drosghic assume na sexta-feira, às 8h30, o cargo de superintendente regional de Trabalho e Emprego de Mato Grosso do Sul. Ele assume no lugar de Anízio Pereira Tiago. A indicação é do PDT, que conta com um deputado federal no Estado, Dagoberto Nogueira Filho.

Risco – O PDT discute o rompimento com o Governo Dilma Rousseff (PT). Se os pedetistas saírem da base aliada, o advogado vai ficar poucos dias no cargo. Até o presidente nacional da sigla, Carlos Lupi, defendeu o rompimento, e acusou o PT de roubar demais.

Ajuda – A Santa Casa de Campo Grande vem recorrendo a todos os “santos”. Na segunda-feira, a diretoria foi buscar apoio da bancada federal e se reuniu com o deputado federal Geraldo Resende (PMDB). Ontem, os dirigentes foram pedir o apoio da Câmara Municipal. O contrato vai até sexta-feira, mas ontem, o hospital já encerrou o atendimento ambulatorial pelo SUS.

(colaborou Lidiane Kober)

Reinaldo apoia crescimento dos evangélicos
Decisão divina - Palestrante principal do Fórum Evangélico realizado nesta segunda-feira em Campo Grande, a cantora e pastora Damares Alves disse que...
2018 será ano mais curto para o Legislativo
Três meses – Carnaval, Semana Santa, campanhas eleitorais, Copa... Tudo isso encurta 2018 para os trabalhos legislativos. A observação é de Fábio Tra...
Máfia do Cigarro passa quase livre nas estradas
Esquema antigo - A atuação da Máfia do Cigarro em Mato Grosso do Sul vem de décadas e, de tempos em tempos, surge uma nova denúncia envolvendo polici...
MS também tem "bunker" cheio de dinheiro
Versão tupiniquim - O “bunker”de Geddel Vieira, que escondeu R$ 51 milhões de propina, tem versão pantaneira. Paredes de apartamento de um político e...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions