A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 21 de Maio de 2018


  • Jogo Aberto
  • Jogo Aberto

    jogoaberto@campograndenews.com.br


15/08/2014 06:00

Pesquisa impõe desafios diferentes para candidatos a governador

Edivaldo Bitencourt

Presente! - Edson Shimabukuro correu para registrar presença na contagem de quórum para votações na sessão de ontem da Câmara Municipal. De trás de uma parede do plenário, sorrindo e dando “tchauzinho”, ele fez questão de declarar um sonoro “presente” para não ficar de fora.

Dormiu no ponto – O vereador Loester Nunes acabou cochilando durante votação de projetos, ontem (14), na Câmara. A questão só foi percebida após o primeiro secretário Delei Pinheiro chamá-lo e logo disparar: “Ih, dormiu”. Coube, então, a Otávio Trad acordar o parlamentar com um toque no ombro.

Produtiva – Após encerrar a sessão sem aprovar nenhum projeto na terça-feira, os vereadores tiraram o atraso para fechar a semana. Foram cinco projetos, inclusive o fechamento da Rua 7 de Setembro para ampliação e reforma do Mercado Municipal Antônio Valente, o Mercadão.

Reafirmou – O candidato a senador Antônio João (PSD) mudou o discurso, mas reafirmou que houve comemoração da morte do presidenciável Eduardo Campos (PSB). Ele isentou o senador Delcídio do Amaral (PT) da festa. Mas reafirmou que alguns assessores teriam feito festa com a tragédia.

Pesquisa – As pesquisas começam a esquentar a disputa pela sucessão do governador André Puccinelli (PMDB). A situação não é tranqüila para nenhum candidato, nem para quem ainda lidera com folga. No Ibrape/Fiems, Delcídio está com 44%, seguido por Reinaldo Azambuja (PSDB) com 21% e Nelson Trad Filho (PMDB), com 20%.

Primeiro turno – Delcídio assumiu, ontem, o discurso de que trabalha para encerrar a disputa no primeiro turno. O desafio é crescer um pouco para obter 50% mais um voto e ganhar no primeiro domingo de outubro. Hoje, ele está com 44%, contra 45% dos adversários.

Segundo lugar – Azambuja cresceu três pontos, dentro da margem de erro. O desafio do tucano será manter o ritmo para continuar nesta posição e garantir uma vaga no eventual segundo turno. A principal aposta será o horário eleitoral, que começa na terça-feira.

Governo – Nelsinho está em terceiro, mas pode estar em segundo considerando-se a margem de erro de 3%. Ele também aposta no horário eleitoral para amplificar para o interior, onde ainda precisa ser mais conhecido, para divulgar as ações e obras como prefeito de Campo Grande. Foram dois mandatos. Também defenderá o legado do PMDB no Governo do Estado.

Presidencial – O PMDB em Mato Grosso do Sul não vai se alinhar automaticamente à campanha de Marina Silva, cotada para assumir a vaga de Eduardo Campos. Segundo Carlos Marun, o partido vai se reunir para discutir o caminho na sucessão presidencial.

Dividido – O governador André Puccinelli deve manter o apoio à Dilma Rousseff (PT). No entanto, os peemedebistas podem se dividir entre a campanha dela, de Marina Silva, se for oficializada, e de Aécio Neves (PSDB). Nas últimas eleições, o partido marchou com o PSDB no Estado.

(colaboraram Kleber Clajus e Leonardo Rocha)

Ex-ministro não errou o “do Sul”, mas...
Gafe - O ex-ministro Henrique Meireles (MDB) em um dos diversos discursos no evento em Campo Grande neste sábado (19) confundiu Mato Grosso do Sul co...
PMs presos têm “festival de ações”
Conhecidos da justiça - Entre as duas dezenas de policiais militares de Mato Grosso do Sul presos esta semana por suspeita de facilitar a vida dos co...
O entrave no cadastro de pedófilos
Entrave burocrático – Autor do projeto de lei que criou o cadastro de pedófilos em Mato Grosso do Sul, o ex-deputado estadual Carlos Alberto David, d...
Assembleia agora tem 8 "independentes"
Mais uma – Depois de votar com o governo por três anos e meio, a deputada estadual Grazielle Machado(PSD) anunciou que agora será “independente”, ass...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions