ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
ABRIL, DOMINGO  14    CAMPO GRANDE 24º

Jogo Aberto

Se Rose Modesto correr o bicho pega, se ficar o bicho come

Por Maristela Brunetto e Caroline Maldonado | 24/02/2024 07:00

Corda no pescoço - A presidente da Sudeco, Rose Modesto (União Brasil), vive entre a cruz e a espada em 2024. Anda muito próxima de ministros do governo Lula, é apontada como nome para aliança com o PT nas eleições para a prefeitura de Campo Grande, mas já se queimou uma vez com os tucanos e pode fechar de vez qualquer fresta que ainda esteja aberta com o PSDB.

Gota d'água - Parceira dos projetos tucanos no passado, inclusive, eleita vice-governadora ao lado de Reinaldo Azambuja, ela já pisou na bola na campanha de 2022. Anunciou apoio a Eduardo Riedel para o governo e, 5 dias depois, declarou que estava com Renan Contar. A gota d'água em 2024 pode ser a opção de virar as costas para candidatura de Beto Pereira (PSDB) e seguir ao lado dos "padrinhos" Vander Loubet e Zeca do PT, maiores apoiadores da candidatura dela à prefeitura da Capital.

Michele Bolsonaro com Bíblia dentro de pacote, ao lado da prefeita Adriane Lopes. (Foto: Assessoria)
Michele Bolsonaro com Bíblia dentro de pacote, ao lado da prefeita Adriane Lopes. (Foto: Assessoria)

Mimo - A presidente do PL Mulher e ex-primeira-dama, Michelle Bolsonaro, foi recepcionada no aeroporto pela prefeita Adriane Lopes (PP) de quem ganhou uma Bíblia. O presente foi escolhido para mostrar que ambas têm afinidade de valores como a fé cristã e a família, o que reforça o desejo de Adriane em se tornar, oficialmente, a candidata apoiada por Michelle e o ex-presidente Jair Bolsonaro.

Presença - A prefeita ainda não divulgou se irá ao evento do PL Mulher nesta manhã, no Shopping Bosque dos Ipês. O natural seria participar, já que Bolsonaro articula com a senadora Tereza Cristina (PP) o apoio do PL à candidatura de Adriane. Mas o diretório do PL MS quer candidatura própria e os eleitores estão atentos e muitos insatisfeitos com a possibilidade de não ter um nome da legenda nas urnas.

Fora de contexto - A deputada federal Camila Jara (PT) também está lutando para manter-se candidata e, mesmo muito ocupada com as articulações dentro do partido, falou pouco sobre o assunto à imprensa após reunião na sexta-feira (23), com os deputados Vander Loubet e José Orcírio, o "Zeca a do PT". O fato é que ela não parecia confortável em dar entrevista ao lado dos dois colegas do partido que até ontem insistiam para que não fosse ela a candidata e sim Rose Modesto com Pedro Kemp de vice. A reunião foi justamente para o três darem as mãos e mostrar que daqui para frente vão dialogar.

Mundo capota - Vander e Zeca admitiram que ela é pré-candidata, mas Camila teve de admitir publicamente que aceita "ampliar alianças". No fim, mostraram como a política funciona, independente de ser da nova geração ou da velha guarda: tiraram a foto juntos, rindo e até gargalhando, como se não houvesse qualquer ressentimento. Antes, Zeca fez a explanação demorada e Vander não se aguentou e sugeriu palavras, enquanto Camila dava entrevista. Como se tivesse mesmo que usar um texto pronto, a deputada aceitou as recomendações, com sorriso amarelo no rosto e deu risada até.

Acima de todos - O titular da  Semadesc (Secretaria de Estado de Meio Ambiente, Desenvolvimento, Ciência e Tecnologia), Jaime Verruck, que tem uma estatura acima da média, acaba sendo alvo de brincadeira de colegas por isso. Em Ribas do Rio Pardo, durante discurso em lançamento de obra ontem, o presidente da Fiems (Federação das Indústrias), Sérgio Longen, chamou Verruck de gigante, mas não só pela altura, ao falar do desenvolvimento econômico do Estado. Logo depois foi o deputado Paulo Corrêa, lembrando que, literalmente, é o maior secretário de desenvolvimento do País.

Pingue-pongue - O governador e sua comitiva visitaram a Escola Estadual Doutor João Ponce de Arruda após solenidade para início das obras do Sesi. Depois de reforma, as autoridades entraram nas salas de aula, conversaram com pais, com alunos e muito marmanjo não resistiu à mesa de pingue-pongue colocada na varanda da escola. O deputado Pedro Caravina lançou o desafio e teve vários adversários, incluindo o governador. O presidente da Fiems, Sérgio Longen, chegou a sugerir que o melhor desempenho do colega devia-se ao fato de ele ter ficado com a melhor raquete.

Sem toga - Quem mereceu muita atenção no passeio à escola foi a magistrada Camila Neves Porciúncula. Juíza há cerca de 2 anos e meio, jovem, acabou conversando com todos, tirou fotos a pedidos, e retribuiu com simpatia. O ambiente ficou tão descontraído, que o prefeito da cidade, João Alfredo Danieze (PT) quase não conseguiu se despedir do governador e comitiva, precisou correr até à van, que já estava de partida.

A distância – Ainda em recuperação após passar por cirurgias e ser “desenganado pelos médicos”, o general de brigada Laércio Vergílio, de 69 anos, investigado por supostamente participar de trama para golpe de Estado após a eleição de Luiz Inácio Lula da Silvam (PT), diz que ficará em casa no próximo domingo, dia de protesto convocado por Jair Bolsonaro. E o motivo nem é só a saúde. É que ele está proibido de participar de aglomerações. “Não posso participar pessoalmente, mas na medida do possível eu vou acompanhar o noticiário”, garante.

Desculpa aí – O militar da reserva conversou com a reportagem nesta quinta-feira (22), ao deixar a sede da Polícia Federal em Campo Grande, onde foi interrogado. Em momento algum demonstrou constrangimento em estar ali, na condição de investigado. Vergílio até pediu desculpas à imprensa por fazer os jornalistas esperaram tanto tempo em frente à superintendência da PF, já que passou cerca de 4 horas no local. “Desculpa a canseira que vocês levaram”.

Nos siga no Google Notícias