A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 23 de Outubro de 2017


  • Jogo Aberto
  • Jogo Aberto

    jogoaberto@campograndenews.com.br


23/04/2014 06:00

Secretário teme gestão e não assina relatórios

Edivaldo Bitencourt

Discórdia – O secretário nacional de Saúde Especial Indígena, Antônio Alves, tenta enfiar goela abaixo dos índios um apadrinhado para assumir o órgão no Estado. No entanto, a indicação enfrenta forte resistência dos indígenas.

Resistência – Alves também não é uma pessoa fácil de ser convencida, apesar do cargo ser político. Ele resiste, desde 2012, a nomear para o cargo um nome indicado pela bancada do PT sul-mato-grossense.

Abençoado – O PT aprovou e trabalha para indicar o ex-vice-prefeito de Sonora, Cleber Fernandes de Moura. Ele também foi vereador por dois mandatos. Ele contaria com as bênçãos dos dois deputados federais e do senador do PT.

Não assino – O ex-secretário municipal de Saúde, Ivandro Fonseca, não assinou nenhum dos relatórios e balanços relativos ao ano passado. Todos os documentos foram encaminhados sem o seu aval para o Tribunal de Contas do Estado.

Responsável – Ivandro Fonseca não quis assinar para não ser responsabilizado por eventual irregularidade que for detectada na pasta sob o seu comando. No entanto, especialistas e técnicos avaliam que o gesto é inócuo, já que responderá, de qualquer maneira, pelos atos praticados de janeiro até dezembro do ano passado.

Expectativa – O depósito de 80% do valor avaliado pela prefeitura, nesta quarta-feira, deve evitar o despejo dos vereadores amanhã. A Justiça poderia despejar os 29 vereadores se não houvesse a desapropriação do prédio.

Dívida – O presidente da Câmara Municipal, Mario Cesar (PMDB), admitiu, ontem, que a conta de R$ 30 milhões, estimada pela dona do prédio, poderia acabar em um novo impasse. A Prefeitura estima que o legislativo custe R$ 11,2 milhões, no máximo. Ou seja, a empresa quer cobrar um valor três vezes maior.

PMDB – Os peemedebistas sul-mato-grossenses estão divididos sobre a campanha presidencial neste ano. De certo, mesmo, segundo o deputado estadual Junior Mochi, presidente regional da sigla, é apoio do governador André Puccinelli (PMDB) à reeleição da presidente Dilma Rousseff (PT).

Governo ou senado – O deputado federal Reinaldo Azambuja (PSDB) segue em dúvida sobre a candidatura nas eleições deste ano. Ele pode ser candidato a senador em dobradinha com Delcídio do Amaral (PT) ou ser candidato a governador e disputar os votos com o petista.

Voz – O pré-candidato a presidente do PSDB, Aécio Neves, discutiu ontem a aliança entre tucanos e petistas em Mato Grosso do Sul. No entanto, até o fim dia 30, PT e PSDB selam ou descartam a aliança de vez no Estado.

(colaboraram Kleber Clajus e Leonardo Rocha)

Crise da JBS rouba atenção de Temer
Foco na JBS - No Governo do Estado, a vinda do presidente Temer a Mato Grosso não teve a mobilização típica de visitas anteriores de presidentes. Na ...
Temer oscilou sobre decisão de vir para agenda em MS
Às pressas – A vinda do presidente Michel Temer para Mato Grosso do Sul neste sábado foi confirmada em cima da hora. A coluna apurou que tudo indicav...
Detran de MS avalia adesão a parcelar multa no cartão
Ainda não sabemos – O Detran de Mato Grosso do Sul avalia se vai fazer convênios que permitam parcelamento de multas no cartão de crédito. A autoriza...
Delcídio foi "fantasma" em sessão que manteve Aécio
Lembrado – O ex-senador e ex-petista Delcídio do Amaral está longe do Senado desde maio de 2016, quando foi cassado, mas nesta terça-feira foi bastan...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions