A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 16 de Janeiro de 2019


  • Jogo Aberto
  • Jogo Aberto

    jogoaberto@campograndenews.com.br


11/04/2017 06:00

Sem festa em cem dias, prefeito propõe planejar a cidade

Waldemar Gonçalves

Uma centena – O prefeito de Campo Grande, Marquinhos Trad (PSD), atingiu ontem a marca de 100 dias de gestão. Na presença de boa parte do secretariado, vereadores e outras figuras políticas, fez balanço do período e, por mais de uma hora, discursou sobre dificuldades, realizações e conquistas de sua administração.

Sem festa – “Não é dia de festa ou confetes. Não há comemoração, mas reflexão”, disse Marquinhos, no início de sua apresentação “responsável” e sem “colorir” os avanços de seu governo, cujos pilares são a “paz, harmonia e fé”, como classifica o próprio.

Obstáculos – “Uma enormidade de buracos, chuvas torrenciais, a saúde pública com almoxarifado vazio e inexistência de medicamentos, ausência de pagamentos a fornecedores, com a Santa Casa em atraso, Hospital Universitário ameaçando fechar, Hospital do Câncer pedindo R$ 8 milhões”. As questões citadas acima são alguns pontos críticos elencados por Marquinhos e enfrentados nestes 100 dias. E que ele promete superá-los.

Tapa-buraco – Com 85 mil buracos tapados até o momento, pelos dados oficiais, Marquinhos considera ser “irresponsável” estipular um prazo para dar fim de uma vez por todas a este problema. Até porque, enquanto fecha uns, outros se abrem na “pavimentação sofrível” da Capital. Mesmo assim, garante que os buracos serão tapados dentro de um período “recorde”.

Comparação – Com as pessoas pedindo pressa no tapa-buraco, o prefeito se diverte ao comparar com a operação feita pelo Exército em convênio com a prefeitura. “Olha, o Exército, que para muitos é um exemplo, pediu um prazo de 24 meses para fazer o recapeamento de duas ruas e duas avenidas. Vinte e quatro meses”, disse Marquinhos, sem deixar de conter um riso.

O plano – Mais cedo, em entrevista à Capital FM, Marquinhos reclamou da falta de planejar a cidade. “Campo Grande é uma cidade que sempre se administrou a fim de inaugurar placas e sem pensar no futuro. O que estou querendo fazer é planejar para os próximos anos da nossa cidade. Não vim fazer carreira política, vim reajustar e reorganizar administrativamente uma cidade que não tem planejamento”.

Sem dinheiro – Por fim, Marquinhos disse que não há dinheiro para investir em melhorias na cidade, nem em nível municipal ou estadual e muito menos em nível federal, que fechou todas as portas e está reduzindo em 40% o repasse do FPM (Fundo de Participação dos Municípios) e os valores das emendas. “Em Brasília só se fala em governabilidade para o Temer e reforma da Previdência. Não se fala mais em ajuda aos municípios”.

Uber fechado – Gerente de políticas públicas da Uber, Mariana Polidório não permitiu que a imprensa acompanhasse, ontem, reunião entre ela e vereadores de Campo Grande. O objetivo do encontro, em tese, seria esclarecer questionamentos sobre o aplicativo das caronas pagas, em fase de regulamentação na cidade.

Política da empresa – Os próprios vereadores mostraram-se surpresos com a negativa à imprensa. Eles próprios haviam comunicado os jornalistas sobre o encontro. Dito pelo não dito, a justificativa foi que a medida faz parte da “política da empresa”.

Sem cochilo – Deputados do PSDB vão articular com os demais aliados para garantir a presença de ao menos 16 integrantes da base na sessão de terça-feira, na Assembleia Legislativa, quando deve ser votada a PEC do Limite de Gastos. A base andou dando algumas cochiladas em votações anteriores.

(com Anahi Gurgel, Leonardo Rocha e Richelieu de Carlo)

Presa em operação adora posar com vereadora
No hospital - O empresário e ex-candidato a deputado estadual pelo PTC, Antônio João Hugo Rodrigues, deu um susto na família na noite de segunda-feir...
Picarelli queria TV, mas deve levar assessoria
Outra rota – Radialista e apresentador de TV, Maurício Picarelli (PSDB) teve o nome lembrado para a Fertel, fundação que comanda a TV Educativa e a r...
Cultura tem “concorrência” entre ex-secretário e suplente
A fila anda – Athayde Nery (PPS) havia descartado assumir a Fundação de Cultura do Estado, depois que a Secretaria de Cultura e Cidadania foi extinta...
Bloqueio de celular pirata não emplaca no presídio
Piratas 100% - Aqui em Mato Grosso do Sul, 1,9 mil celulares piratas já foram bloqueados este ano pela Anatel, mas nada dá jeito nos aparelhos que co...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions